Espanha volta a barrar laranjas brasileiras e argentinas

Ribeirão Preto, 4 - A Espanha voltou e barrar a entrada de carregamentos de laranjas in natura brasileiras e argentinas. A interrupção aconteceu depois que duas cargas de frutas provenientes do Brasil tinham sinais da doença pinta preta dos citros e foram proibidas de entrar naquele País. O caso foi comunicado há um mês ao governo dos países sul-americanos e só revelado hoje pelo coordenador de Proteção de Plantas do Departamento de Defesa e Inspeção Vegetal do Ministério da Agricultura, José Geraldo Baldini Ribeiro. Segundo ele, as cargas foram rechaçadas após determinação da Comunidade Valenciana, que representa a região maior produtora de frutas de mesa da Europa. Ele disse que o governo brasileiro prepara um recurso à Comissão Européia, órgão executivo da União Européia, para tentar rever a decisão. "Nós estamos questionando a decisão espanhola na Comunidade Européia, pois não houve o menor critério e nem uma análise de risco que sustentasse a decisão. Em um dos dois casos o próprio importador negou que as frutas apresentassem problemas", disse Ribeiro. Ele considerou o problema pequeno em relação aos do ano passado, quando a Espanha barrou 68 carregamentos com laranjas brasileiras alegando também a existência de frutas com pinta preta, doença que não existe naquele país e que, como o nome já diz, deixa manchas negras na laranja, que perdem valor comercial. Além do recurso à Comissão Européia, brasileiros e argentinos aguardam o envio de um relatório sobre a vistoria feita por técnicos europeus em agosto nos parques citrícolas dos dois países sul-americanos para avaliar as condições fitossanitárias. As exportações de laranjas frescas movimentam US$ 35 milhões por ano e têm na Europa um dos principais mercados e também uma forte pressão por parte dos espanhóis na imposição de barreiras fitossanitárias. De acordo com o Ministério da Agricultura, cerca de 70% das frutas entram no continente pela Holanda e os 30% restantes pela Espanha.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.