Estoque de crédito cresce 1,1% em abril ante março, para R$ 2,5 trilhões

Em 12 meses, estoque avançou 16,4%; total de operações de crédito em relação ao PIB foi de 54,1%, segundo o Banco Central

Eduardo Cucolo e Renata Veríssimo, da Agência Estado,

24 de maio de 2013 | 11h07

BRASÍLIA - O estoque de operações de crédito do sistema financeiro subiu 1,1% em abril ante março e chegou a R$ 2,452 trilhões, informou o Banco Central. No trimestre encerrado em abril, a carteira cresceu 3,7% e, no acumulado do ano, houve alta de 3,6%. Em 12 meses, a elevação foi de 16,4%. 

De acordo com a autoridade monetária, o crédito livre cresceu 0,5% no mês e 11,1% em 12 meses, enquanto o direcionado aumentou 1,9% e 24,6% em 12 meses. No crédito livre, houve crescimento de 1,0% para pessoas físicas no mês, 2,1% no acumulado do ano e 9,2% em 12 meses. Para as empresas, no crédito livre, houve estabilidade no mês e altas de 0,5% no ano e de 13,1% em 12 meses.

O BC informou ainda que o total de operações de crédito em relação ao Produto Interno Bruto (PIB) passou de 53,9% em março para 54,1% no mês passado.

As operações de crédito direcionadas para habitação no segmento pessoa física cresceram 2,7% em abril ante março, totalizando R$ 281,343 bilhões. Segundo o Banco Central, no acumulado em 12 meses até abril, a expansão desse tipo de crédito está em 34,5%. No acumulado do ano, houve crescimento de 10,2%. Do valor total do crédito imobiliário, R$ 252,323 bilhões se referem a empréstimos concedidos com taxas reguladas pelo governo e R$ 29,020 bilhões à taxa de mercado.

O BC deixou de incorporar nesses dados as operações com crédito livre alegando que são residuais. As operações com taxa de mercado apresentaram crescimento de 4% em abril e de 40% em 12 meses até o mês passado. Já os financiamentos a taxas reguladas, avançaram 2,6% em abril e 33,9% em 12 meses.

Inadimplência

O Banco Central informou, há pouco, que a inadimplência média do crédito livre permaneceu em 5,5% em abril. No caso de pessoa física, houve redução de 7,6% em março para 7,5% em abril. Já em relação à pessoa jurídica, foi constatada uma nova elevação, depois da primeira queda nos calotes registrada em março. A taxa voltou a subir para 3,7% em abril, ante 3,6% no mês anterior.

A inadimplência no crédito pessoal passou de 4,5% em março para 4,4% em abril. No caso do cheque especial, houve diminuição do calote no período de 7,8% para 7,2%. Já em relação aos recursos direcionados, a inadimplência total ficou em 1,2% em abril, ante 1,1% em março, e no geral continua estável em 3,6%.

No caso de aquisição de veículos, a inadimplência, assim como em março, ficou em 6,3% em abril. No caso da compra de outros bens, a inadimplência passou de 9,7% em março para 9,6% em abril. No cartão de crédito, a inadimplência subiu de 25,7% para 26,1% no período.

Juro

O spread bancário médio no crédito livre (diferença entre o juro que o banco recebe no empreéstimo e quanto ele paga para captar os recursos) subiu de 17,7 pontos porcentuais em março para 17,9 pontos porcentuais (pp) em abril, informou há pouco o Banco Central. O spread médio da pessoa física no crédito livre subiu de 25,4 pp em março para 25,5 pp em abril. Para pessoa jurídica, o spread médio passou de 10,9 pp para 11,2 pp, no período.

O spread médio do crédito direcionado caiu de 3,0 pp para 2,7 pp na mesma comparação. O spread médio no crédito total (livre + direcionado) se manteve em 11,7 pp em março e abril. Por fim, o BC informou que a taxa de captação dos bancos no crédito livre se manteve em 8,4% ao ano na mesma comparação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.