Estoques da Embraer cedem 17,5% em 2009 e tendem a seguir em queda

Empresa sinalizou que continuará comprando menos de seus fornecedores, já que possui uma reserva alta de peças

Michelly Chaves Teixeira, da Agência Estado,

19 de março de 2010 | 12h29

Os estoques da Embraer baixaram 17,5% em 2009, comparativamente ao ano anterior, para US$ 2,340 bilhões. Com isso, a empresa conseguiu ajustar-se a níveis inferiores aos de 2007, quando seus estoques somavam US$ 2,491 bilhões. O vice-presidente executivo de Finanças e de Relações com Investidores da fabricante de aeronaves, Luiz Carlos Aguiar, sinalizou que continuará comprando menos de seus fornecedores, já que possui uma reserva alta de peças e precisa equalizá-las ao cenário de demanda atual. "A expectativa é de que a Embraer ainda consuma parte dos estoques atuais", afirmou, durante teleconferência com a imprensa.

 

No final de 2009, a fabricante de aeronaves informou a seus fornecedores que compraria menos peças neste ano. Naquela ocasião, em reunião promovida em São José dos Campos, onde está sediada, a empresa havia sinalizado que as compras de peças programadas para 2010 cairiam 23% ante 2009. Por conta da crise financeira global, agravada em outubro de 2008, a Embraer procurou reduzir o volume de compras de seus fornecedores de forma gradativa, para tentar não fragilizar outros elos da cadeia aeronáutica.

 

A queda dos estoques começou a aparecer nas demonstrações financeiras da Embraer a partir do segundo trimestre do ano passado. Mas desde o começo de 2009, a empresa já estava avisando ao mercado a negociação com os seus fornecedores para adequar o recebimento de materiais à nova cadência de produção e ao novo calendário de entregas.

Tudo o que sabemos sobre:
Embraer, estoque, aeronaves, peças

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.