Estudo do Ipea mostra brasileiros otimistas com situação socioeconômica

Para o mês de agosto, 58,03% das famílias acreditam que o Brasil passará por melhores momentos nos próximos 12 meses

Glauber Gonçalves, da Agência Estado,

31 de agosto de 2010 | 11h21

Os brasileiros estão otimistas em relação à situação socioeconômica do País, revelou o Índice de Expectativas das Famílias (IEF), divulgado hoje pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada). O índice foi apurado através de pesquisa domiciliar inédita realizada em 3.810 domicílios distribuídos por 214 municípios, em todas as unidades da federação. O índice de 62,75 pontos em agosto numa escala de 0 a 100. A região Centro-Oeste apresenta a maior pontuação de otimismo das famílias em relação aos próximos 12 meses (68,14 pontos), enquanto a região Sudeste registra a menor (59,09 pontos), indicando grau de moderação para a situação socioeconômica nacional.

Para o mês de agosto, a expectativa média das famílias no que diz respeito à situação econômica do País no curto prazo aponta 58,03% delas acreditam que o Brasil passará por melhores momentos nos próximos 12 meses. Além disso, 55,4% das famílias creem no mesmo para os próximos cinco anos. A proporção de famílias que acredita que o País passará por piores momentos é de 19,24% em 15,9%, para o curto e médio prazos, respectivamente.

O índice revelou também que, em agosto, 73% das famílias brasileiras pesquisadas indicaram estar melhor financeiramente hoje do que estavam há um ano. Em contrapartida, verifica-se que apenas 20% sentem-se em pior situação atualmente que em relação a um ano atrás. As regiões Centro-Oeste e Norte possuem maior proporção de famílias que acreditam ter melhorado sua condição financeira (82%), seguido de perto pelo Nordeste (78%).

O otimismo é menos pronunciado quando se consideram as expectativas médias das famílias em relação ao consumo. Cerca de 53% delas acreditam que o presente seja o momento ideal para aquisição de bens de consumo duráveis, contra 37% que acreditam que o atual momento não seja propício para isso. A região Nordeste é aquela que o otimismo é maior, com 64% das famílias acreditando ser um bom momento para o consumo.

A pesquisa mostrou ainda que 45% das famílias pesquisadas declararam não ter dívidas, ao passo que em comparação ao rendimento familiar mensal pouco mais de 11% das famílias responderam estar muito endividadas.

Segundo a pesquisa, 76,7% dos responsáveis pelos domicílios se sentiam seguros em sua ocupação atual, o que representa um patamar coerente com o observado em pesquisas do IBGE, como PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) e PNE (Pesquisa Nacional de Emprego). 

Tudo o que sabemos sobre:
otimismoconsumoeconomia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.