EUA apoiam Lagarde para o cargo de diretor-gerente do FMI

A decisão dá a Lagarde apoio explícito das nações que representam mais da metade dos votos do FMI

Cynthia Decloedt, da Agência Estado,

28 de junho de 2011 | 10h16

Os Estados Unidos anunciaram seu apoio à ministra das Finanças da França, Christine Lagarde, para o cargo de diretor-gerente do FMI, horas antes de um encontro do conselho da instituição de debate sobre a vaga.

"O talento excepcional da ministra Lagarde e sua ampla experiência oferecerão liderança inestimável para esta instituição indispensável em um momento crítico para a economia global", disse o secretário do Tesouro dos EUA, Timothy Geithner, em nota. "Somos encorajados pelo amplo apoio que ela tem entre os membros do fundo, incluindo economias emergentes", acrescentou.

A decisão dá a Lagarde apoio explícito das nações que representam mais da metade dos votos do FMI, efetivamente evitando qualquer debate significante entre os 24 executivos do conselho, quando se reunirem no final desta terça-feira. Ela garantiu o apoio da maior parte das nações europeias antes mesmo da disputa ao cargo ser oficialmente iniciada, no final de maio. Seu adversário é o presidente do banco central mexicano Agustín Carstens.

Lagarde também obteve o endosso da China, Rússia, Indonésia, Egito e várias nações africanas. Carstens obteve o apoio do Canadá e da Austrália, que junto ao México têm representação de 12% no conselho. No fim da tarde de ontem, a assessoria de imprensa do Ministério da Fazenda do Brasil informou que nenhuma decisão havia ainda sido tomada sobre a escolha. As informações são da Dow Jones. 

Tudo o que sabemos sobre:
EUAFMILagarde

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.