EUA devem reduzir meta para consumo de biocombustíveis de celulose

Proposta da Agência de Proteção Ambiental americana mostra que objetivo do país de usar mais combustíveis renováveis está longe de ser alcançado

Filipe Domingues, da Agência Estado,

21 de junho de 2011 | 19h28

A Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (EPA, na sigla em inglês) sinalizou nesta terça-feira, 21, que deve ser menos exigente com as metas para a mistura de biocombustíveis de celulose na gasolina no ano que vem.

A EPA propôs a meta de utilização de 3,45 a 12,9 milhões de galões de biocombustíveis de celulose em 2012 (1 galão = 3,79 litros), muito menos do que o objetivo determinado pelo Congresso em 2007, de 500 milhões de galões, e possivelmente menor do que a meta de 2011 - cerca de 6 milhões de galões. Segundo a EPA, as metas propostas são baseadas na "disponibilidade de mercado".

A proposta da EPA para 2012, que precisa ser finalizada em dezembro, mostra que o objetivo dos Estados Unidos de usar mais combustíveis renováveis nos transportes está distante do mandato exigido pelo Congresso e, portanto, longe de ser alcançado.

A agência propôs também um aumento das metas de outros tipos de biocombustíveis que não são feitos de milho e uma elevação da meta geral para combustíveis renováveis. "A agência continua otimista que a disponibilidade comercial de biocombustíveis de celulose continuará crescendo nos próximos anos", disse a EPA em comunicado. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.