Hélvio Romero/AE
Hélvio Romero/AE

EUA terão década perdida de crescimento, diz Stiglitz

Para Prêmio Nobel de Economia, mesmo quando fase mais difícil for superada, recuperação ainda será lenta

Andréia Sadi, do estadao.com.br,

11 de maio de 2009 | 13h50

Os Estados Unidos vão perder uma década de crescimento. Esta é a opinião do professor Joseph Stiglitz, Prêmio Nobel de Economia e um dos palestrantes do EXAME Fórum, que acontece nesta segunda-feira, 11, em São Paulo. Ele acredita que, mesmo quando esta fase mais difícil for superada, a recuperação será muito lenta.

 

Veja também:

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialAs medidas do emprego

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise  

 

Edward Prescott, prêmio Nobel de Economia em 2004, também presente no evento, concorda. "Não estamos caminhando para outra depressão, mas os Estados Unidos perderão uma década de crescimento, como aconteceu com o Japão após a crise em 1992", afirma.

 

Um dos motivos para o pessimismo de Stiglitz é a alta taxa de desemprego nos Estados Unidos. Segundo ele, o cenário é ruim e a melhora é muito lenta. "O futuro é sombrio. A crise agora é diferente das outras no período pós-guerras porque mostra o fracasso do nosso sistema financeiro", explica.

 

Outro fator para pessimismo é a falta de transparência no plano de estímulo à economia. "Ele é falho porque não recupera a confiança das pessoas". Stiglitz acredita que o país precisa de uma segunda "rodada de estímulo" com foco na estabilidade financeira.

 

 

Brasil

 

Stiglitz avalia que o Brasil tem boas políticas e mesmo assim foi afetado. Ele acredita que o País tem espaço para reduzir juro, o que favorece uma recuperação para a economia. "O Brasil está numa boa posição. Eu costumava achar que juro alto era uma coisa ruim, mas vejam só. Nos EUA, a taxa é quase zero e não há mais espaço. Vocês, no Brasil, têm espaço para diminuir a taxa de juros", explica.

Tudo o que sabemos sobre:
crise financeiraEstados Unidos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.