EUA, UE e Japão investigam fornecedoras de autopeças sobre conluio

Comissão Europeia quer apurar se as margens de lucro do setor no passado resultam de inovação na produção ou de combinação de preços

Marcílio Souza, da Agência Estado,

25 de fevereiro de 2010 | 15h18

Uma investigação internacional sobre suposta fixação de preço e outras violações antitruste por parte de fabricantes de autopeças intensificou-se nesta quinta-feira, 24, quando mais companhias confirmaram terem tido seus escritórios vasculhados pelas autoridades.

 

Diversas fornecedoras, entre elas a fabricante de autopeças alemã Leoni, foram visitadas pela Comissão Europeia e por autoridades antitruste dos EUA e do Japão. Companhias europeias, como a Yazaki North America, Denso International America e Tokai Rika, foram vasculhadas pelo FBI na terça-feira. Todas fabricam sistemas de distribuição elétrica automotiva ou componentes.

 

"A questão é saber se as margens de lucro (no setor de sistemas elétricos) que vimos no passado resultam de inovação na produção ou se foram causadas pelo conluio de preços", disse o analista Jim Gillette. "Minha preocupação com relação a isso é saber se o setor automotivo tem sua forma peculiar de lidar com preços e custos e se essa investigação se trata de uma aplicação mais rígida da lei, que poderia impedir a indústria de operar como sempre fez."

 

As autoridades federais recusaram-se a divulgar as razões específicas e os prazos das inspeções. Embora muitas companhias fabriquem produtos para a Toyota, as autoridades disseram que as supostas violações não se centram na montadora japonesa.

 

A incursão pelos escritórios das companhias é o passo inicial das investigações antitruste da União Europeia. Não há um prazo estrito para a conclusão de uma investigação de cartel, e o processo geralmente depende da complexidade do caso e da cooperação das empresas envolvidas.

 

Se for considerada culpada pela fixação de preços, uma companhia pode ser multada em até 10% de sua receita anual global pela Comissão, mas na realidade as multas costumem ser bem menores. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
autopeças, fraude, cartel

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.