EUA vão encontrar solução para teto da dívida, diz Mantega

Segundo ministro da Fazenda, é inevitável que o Congresso acabe dando autorização ao governo Obama; situação na Europa, no entanto, é mais complicada

Adriana Fernandes, da Agência Estado,

20 de julho de 2011 | 15h53

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, mostrou confiança numa solução para o problema da negociação do teto da dívida dos EUA. Mas, em relação à Europa, foi mais cético ao dizer que "lá o buraco é mais embaixo". Segundo ele, os EUA vão acabar chegando a um entendimento em relação à autorização de gastos. Para ele, é inevitável que o Congresso acabe dando autorização ao governo Barack Obama. "Senão eles vão engessar o governo e isso vai pegar mal também para o Congresso. Então eu acredito numa solução e não vai acontecer o rebaixamento (do rating) dos EUA. Disso eu tenho certeza", acrescentou. Para ele, a discussão nos EUA não terá efeitos no Brasil.

Para Mantega, o buraco 'é mais embaixo' e complicado na Europa, mas disse que os europeus continuarão administrando até encontrar uma solução de fato para a Grécia e países adjacentes. Segundo Mantega, o Brasil é um dos países que têm maior capacidade de enfrentar qualquer consequência dessas duas situações.

Fluxo cambial

O ministro falou ainda sobre  fluxo cambial positivo, registrado em julho até o dia 15. Segundo ele, o fluxo está regular e contido. "Aumentou num dia para se ajustar a uma norma que o Banco Central passou a exigir, que diminuiu o nível de exposição do bancos. Aí, os bancos tiveram que captar mais para se adequar à norma", explicou o ministro em sua primeira entrevista após retornar da férias. "Tanto é verdade que não há alteração na cotação do câmbio", reforçou Mantega.

Ele não quis responder nenhuma pergunta sobre o encontro com o presidente da Petrobrás, José Sérgio Gabrielli, e a possibilidade de mudanças no plano de investimento da estatal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.