André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Eunício diz que Senado não vai aprovar privatização da Eletrobrás 'só por aprovar'

Presidente do Senado condiciona aprovação do projeto ao repasse de recursos para áreas de segurança pública e meio ambiente

Julia Lindner, O Estado de S.Paulo

22 Março 2018 | 13h35

O presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), considera que o projeto de lei de privatização da Eletrobras só será aprovado no Senado se prever a destinação de parte dos recursos para as áreas da segurança pública e do meio ambiente. O texto atualmente é analisado em uma comissão especial da Câmara. "Essa questão do projeto da Eletrobras precisa ser debatida, a gente precisa saber para onde vai o dinheiro. Não vamos aprovar um projeto aqui apenas por aprovar um projeto", disse Oliveira.

Ele relembrou que a região Nordeste "passa dificuldades" por causa da seca. "A gente precisa destinar recursos novos para que possam ser incorporados à questão da segurança pública e de recursos hídricos. Vamos para o sétimo ano de seca no Ceará, por exemplo. Então precisamos revitalizar as fontes dos rios e olhar essa questão do meio ambiente com muito cuidado", defendeu.

+ Saiba em que pé estão os 15 projetos apresentados pelo governo como alternativa à Previdência 

Eunício garantiu que a proposta será debatida na Casa, mas disse que, se o texto não contemplar essas questões, "obviamente o Senado vai emendar", ou seja, fazer alterações. Neste caso, a matéria teria que voltar para análise da Câmara.

+ PPI destrava privatização da Eletrobrás

A privatização da estatal foi uma das 15 medidas anunciadas pelo governo após a não aprovação da reforma da Previdência. Na última quarta-feira, 21, o relator do projeto de lei que estabelece as regras para privatiazação da estatal, José Carlos Aleluia (DEM-BA), afirmou que o governo não está focado na aprovação e que deixou a desestatização 'à própria sorte'. “O governo não está focado. Quer, mas não faz força. Não se fez presente à comissão”, afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.