Europa e fatores técnicos derrubam bolsas dos EUA

Investidores fugiram do mercado acionário norte-americano nesta quinta-feira, derrubando seus principais índices. A saída do mercado foi causada por uma repentina queda abaixo de um nível técnico importante, devido a mais preocupações quanto à Europa.

RODRIGO CAM, REUTERS

17 de novembro de 2011 | 20h15

O índice Dow Jones, referência da Bolsa de Nova York, recuou 1,13 por cento, para 11.770 pontos. O índice Standard & Poor's 500 teve desvalorização de 1,68 por cento, para 1.216 pontos. O termômetro de tecnologia Nasdaq caiu 1,96 por cento, para 2.587 pontos.

O S&P 500 recuou gradualmente durante a manhã até cair abaixo do patamar de 1.225 pontos, quando as vendas aumentaram tanto no mercado à vista quanto no futuro.

Investidores têm cada vez mais se concentrado na Europa, e os mercados estiveram cautelosos mais cedo com o avanço dos rendimentos dos bônus da Espanha e da Itália para níveis considerados insustentáveis.

Algumas fontes do mercado citaram a disputa entre democratas e republicanos no "supercomitê" do Congresso, cuja meta é encontrar formas de reduzir a dívida dos Estados Unidos.

Mas Peter Costa, presidente da Empire Executions, disse que nenhum dos catalisadores apontados por membros do mercado como causas da onda de vendas era, de fato, novidade.

"Não é preciso muita coisa se você está oscilando em um nível de suporte ou resistência", disse. "Quando você está prestes a romper algum deles e algo acontece, as negociações geradas por computadores entram em ação, e isso geralmente acelera quaisquer reações que você esteja vendo."

A queda observada por volta do meio-dia foi rápida, e o giro financeiro aumentou uma vez que o nível de 1.225 pontos foi atingido.

Cerca de 2,83 milhões de contratos futuros de S&P E-Mini foram negociados nesta quinta-feira, com cerca de 250 mil trocando de mãos em um período de 15 minutos, algo pouco usual e que ocorreu no momento em que o mercado cedeu mais de 1 por cento.

Tudo o que sabemos sobre:
WALLSTFECHAATUALIZA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.