Koji Sasahara/AP
Koji Sasahara/AP

Ex-presidente da Nissan, Carlos Ghosn é preso novamente no Japão

O executivo foi preso pela segunda vez em Tóquio, menos de um mês após ter sido liberado sob fiança

Dow Jones Newswires, O Estado de S.Paulo

03 de abril de 2019 | 20h48

TÓQUIO - O ex-presidente da Nissan Motor Carlos Ghosn foi preso novamente em Tóquio no início desta quinta-feira (hora local), informou um amigo dele, menos de um mês após o executivo ter sido liberado sob fiança.

Promotores foram ao apartamento na capital japonesa de Ghosn, segundo gravação da emissora pública NHK, e levaram-no até o escritório da promotoria em Tóquio. Um amigo de Ghosn disse que um advogado de defesa confirmou que ele foi novamente detido. Promotores devem apresentar novas alegações contra Ghosn ainda nesta quinta-feira.

Nesta semana, o Wall Street Journal informou que a Nissan investigava se Ghosn destinou milhões de dólares em fundos da companhia por meio de uma distribuidora de carros de Omã para uso pessoal, possivelmente incluindo a compra de um iate. A Nissan também investigava se a empresa de Omã havia ajudado a financiar uma companhia de investimentos que tinha entre seus donos um filho de Ghosn, segundo o jornal.

Advogado de Ghosn, Jean-Yves Le Borgne afirmou que não há nada de errado com os pagamentos, que eram ligados a negócios. A NHK informou que os promotores devem citar a conexão com Omã como base para a nova prisão.

Em 6 de março, Ghosn foi libertado após pagar fiança, após ser acusado por crimes financeiros. Ele já foi acusado de desviar dinheiro da Nissan para o negócio de um amigo saudita que o ajudou com um problema financeiro, entre outras irregularidades.

Notícias relacionadas
    Tudo o que sabemos sobre:
    NissanCarlos Ghosn

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.