Ex-presidente do BC da Itália é condenado a 3 anos e meio de prisão

Antonio Fazio e outros executivos tentaram tomar controle do banco BNL em 2005, mas oferta fracassou após investigação

André Lachini, da Agência Estado,

31 de outubro de 2011 | 17h03

O ex-presidente do Banco Central da Itália, Antonio Fazio, o ex-chefe da seguradora italiana Unipol, Giovanni Consorte, e um grupo de empresários envolvidos na tentativa fracassada de tomar o controle da Banca Nazionale del Lavoro (BNL) em 2005 foram sentenciados nesta segunda-feira a vários anos de prisão.

Fazio foi sentenciado a três anos e seis meses de prisão, enquanto Consorte foi sentenciado a três anos e 10 meses, determinou hoje um tribunal milanês. Ambos negam ter feito qualquer coisa errada.

Em 2005, um grupo de investidores italianos, incluídos executivos da Unipol, seguradora de Bolonha, e do mercado imobiliário, tentaram tomar o controle do BNL, agora uma unidade do banco francês BNP Paribas. Após uma investigação sobre como os investidores compraram as ações no mercado, a oferta fracassou, abrindo o caminho para o gigante francês BNP entrar no então lucrativo varejo bancário italiano.

O advogado de Fazio ainda não disse se apelará da sentença. Um dos advogados que defendem Consorte, Giovanni Maria Dedola, disse que a sentença é inexplicável e que "sem dúvida, apelaremos da sentença", informou a agência Ansa. Além da sentença de prisão, Fazio foi condenado a uma multa de € 1 milhão, informou a Ansa.

Os executivos do mercado imobiliário Danilo Coppola, Stefano Ricucci e Giuseppe Statuto foram condenados a três anos de prisão e uma multa, cada um, de € 900 mil, bem como os financistas Emílio Gnutti, Ettore e Tibério Lonati, e os banqueiros Guido Leoni, Vito Bonsignore e Francesco Caltagirone.

As informações são da Dow Jones e da Ansa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.