Ex-presidente do Fed questiona compra de bônus pelo BC americano

Alan Greenspan disse não saber se o Banco Central do país conseguirá estimular a economia com mais medidas de afrouxamento monetário

Gustavo Nicoletta, da Agência Estado,

09 de setembro de 2011 | 16h03

O ex-presidente do Federal Reserve Alan Greenspan expressou dúvidas sobre se o banco central norte-americano conseguirá estimular a economia dos EUA adotando mais medidas de afrouxamento monetário. "Há poucos exemplos" do emprego da chamada "Operação Twist" - a compra de títulos de longo prazo em detrimento de papéis de menor duração -, disse Greenspan, acrescentando que os resultados desse tipo de política foram "bastante mistos".

Greenspan também questionou se uma terceira rodada de compras de bônus dos EUA por parte do Federal Reserve ajudaria efetivamente a estimular a economia do país, alertando que há um acumulo de ativos em vários setores. "Enquanto os bancos não começarem a emprestar as reservas excedentes", a expansão do balanço do banco central não terá muito efeito, afirmou.

O ex-presidente do Fed disse que o sistema bancário precisa de mais capital e que esses recursos não poderão ser levantados rapidamente. Segundo ele, o problema do desemprego nos EUA é "enorme" e o governo deveria aumentar o déficit orçamentário se isso realmente criar empregos.

Greenspan também acredita que a economia dos EUA estaria razoavelmente bem se a situação da Europa não fosse tão ruim. Ele ressaltou que a falta de confiança e de certeza em relação ao futuro está impedindo as empresas dos EUA de investirem em ativos de longo prazo, como novas fábricas.

O ex-presidente do Fed disse que as discordâncias observadas no Congresso dos EUA encontram eco entre os economistas. "Nós discordamos sobre como a economia do país funciona. Se vamos consertá-la, é preciso compreendê-la."

Greenspan afirmou que o dólar está sujeito a "grandes" e "difíceis" problemas fiscais, acrescentando que não há um substituto evidente para ocupar o posto de moeda de reserva mundial e que a desvalorização do dólar é um jogo de soma zero, visto que a divisa norte-americana provavelmente arrastaria consigo outras moedas.

"O dólar e o euro estão batalhando entre si, mas ambos estão perdendo em relação àquela terceira moeda - o ouro", disse Greenspan, descrevendo as compras do metal como "um voto de falta de confiança" nas principais moedas do mundo. Segundo ele, é "prematuro" sugerir que o yuan possa substituir o dólar como a principal moeda de reserva global, pois embora o governo da China não gostaria de perder o controle sobre o movimento do câmbio. "Não se pode suprimir a taxa de câmbio e garantir a flexibilidade de uma moeda de reserva", concluiu. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.