Executivo do Itaú descarta pagamento bilionário ao Fisco

O superintendente de relações com investidores do Itaú Unibanco, Geraldo Soares, descartou qualquer possibilidade de que o auto de infração da Receita Federal, de uma cobrança bilionária, possa ser pago pela companhia. "Nossa posição é remota desse auto prosseguir", disse nesta quinta-feira, 12, em palestra a investidores na ExpoMoney.

RODRIGO PETRY, Agencia Estado

12 de setembro de 2013 | 21h57

Segundo ele, a empresa sequer realizou a provisão dos valores do auto de infração. "Se é uma operação considerada remota, no atual estágio, não há motivo para provisionamento", acrescentou. Soares destacou que o Banco Central, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) analisaram e sancionaram a operação na época. "Os órgãos aprovaram a operação em todos os sentidos, inclusive contábil."

Sobre o andamento do processo, suscitado por um auditor da Receita Federal, segue de forma confidencial, relatou Soares. O executivo afirmou ainda que a divulgação do fato relevante, no dia 16 de agosto, aconteceu após o vazamento da informação no mercado.

O auto de infração da Receita Federal é pela cobrança de Imposto de Renda no valor de R$ 11,8 bilhões, acrescido de mais R$ 6,8 bilhões referentes à contribuição social sobre lucro líquido, ambos acrescidos de multas e juros. No entendimento da Receita Federal, o banco teria deixado de recolher os valores no ano de 2008 no âmbito da operação societária de associação com o Unibanco.

Tudo o que sabemos sobre:
ItaúReceita Federal

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.