Executivos de bancos alertam sobre default em carta a Obama

'Um rebaixamento do rating de crédito seria um tremendo golpe nos negócios e na confiança do investidor', diz a carta que foi assinada pelo Goldman Sachs e JPMorgan Chase

Regina Cardeal, da Agência Estado,

28 de julho de 2011 | 16h17

Alguns dos principais executivos dos maiores bancos dos EUA enviaram uma carta ao Congresso e à Casa Branca nesta quinta-feira, 27, pedindo que os congressistas e o presidente Barack Obama cheguem a um acordo sobre o déficit do país esta semana. O Wall Street Journal conseguiu uma cópia do documento.

"Nossa recuperação econômica continua muito frágil. Um default nas obrigações de nossa nação ou um rebaixamento do rating de crédito da América seria um tremendo golpe nos negócios e na confiança do investidor - elevando as taxas de juros para todos os que tomam empréstimos, enfraquecendo o valor do dólar e abalando os mercados de ações e bônus - e, portanto, piorando dramaticamente as circunstâncias econômicas já difíceis de nossa nação", diz a carta, assinada, entre outros, pelo executivo-chefe do Bank of America, Brian Moynihan, do Citigroup, Vikram Pandit, do Goldman Sachs, Lloyd Blankfein, e do JPMorgan Chase, James Dimon.

"Dado este risco muito real, as autoridades precisam corrigir nosso rumo fiscal agora, inspirar a confiança do mercado ao pagar todas as nossas contas no prazo e demonstrar que a América é capaz de colocar as diferenças de lado para solucionar nossos problemas mais desafiadores", prossegue a carta.

Todos os signatários são membros do Fórum de Serviços Financeiros, associação integrada pelos executivos-chefes das 20 maiores firmas de serviços financeiros nos EUA. O presidente do grupo, Rob Nichols, também assinou a carta. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
euabancoscartaobamadivida

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.