Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Márcio Fernandes/Estadão
Márcio Fernandes/Estadão

Expedia paga US$ 270 milhões por fatia minoritária da Decolar.com

Grupo argentino está presente em 21 países latino-americanos, mas o Brasil é especialmente importante para a operação, concentrando 55% da receita total, que supera US$ 4 bilhões

Fernando Scheller, O Estado de S. Paulo

10 de março de 2015 | 21h36

Uma das líderes globais em turismo online, a americana Expedia, dona de marcas como Trivago, Travelociy e Hoteis.com, anunciou ontem a aquisição de uma fatia minoritária da operação da Decolar.com. O grupo de internet, fundado na Argentina em 1999, está presente em 21 países, mas tem o Brasil como principal mercado. Cerca de 55% das receitas superiores a US$ 4 bilhões do site se concentram no Brasil.

Por trás do investimento está a intenção da Expedia de ganhar relevância na América Latina sem precisar começar uma operação do zero. A empresa não revelou o tamanho da participação adquirida no Decolar.com, mas é inferior a 20%, disse uma fonte do setor ao Estado

Ao comprar uma fatia do Decolar, a Expedia se junta ao fundo americano Tiger Global Management, que controla a operação, e a outros minoritários, como Sequoia Capital e General Atlantic. Os fundadores ainda mantêm uma pequena participação na companhia.

Além do aporte de recursos na empresa, o presidente da operação brasileira da Decolar, Alipio Camanzano, afirma que a parceria com a Expedia servirá também para aumentar o leque de ofertas da Decolar fora da América Latina. “Nós vamos ganhar muito espaço na Ásia, onde a negociação própria seria difícil e lenta”, explica o executivo. “Em troca, a Expedia terá acesso à nossa base e poderá ter mais opções de hotel no Equador, por exemplo.”

Margens. O aumento da oferta de hotéis é importante para a Decolar, que está tentando se afastar da venda de passagens aéreas, que ainda são seu carro-chefe. Para focar a venda de pacotes, segmento no qual concorrentes como a CVC conseguem margens de lucro mais altas, a companhia começou, em 2014, a cadastrar agentes de turismo independentes seu sistema de vendas. Em setembro do ano passado, a empresa tinha 800 parceiros; hoje, são aproximadamente 3 mil. 

Como base de comparação, a agência CVC tem cerca de 20 mil agentes de viagens parceiros no País, além de 914 lojas próprias. Fundada em 1972 pelo empresário Guilherme Paulus, a CVC tem entre sócios o fundo americano Carlyle e lucrou R$ 145,7 milhões em 2014. Recentemente, a companhia também expandiu sua atuação, com aquisições nas áreas de viagens corporativas e de intercâmbio.

Por outro lado, o domínio da Decolar no mundo digital é claro. Dados do Ibope Inteligência apontam que o site da empresa foi líder em visitas de clientes entre janeiro e julho de 2014, superando até mesmo os sites das companhias aéreas, como TAM e Gol. Enquanto isso, menos de 5% das reservas dos clientes da CVC são feitas pelo site, segundo o balanço da empresa.

Para Camanzano, a aposta da Expedia está relacionada ao potencial de crescimento do turismo online no Brasil. Segundo o executivo, 50% das vendas do setor nos Estados Unidos são feitas pela internet, enquanto no Brasil o porcentual é de 20%. Com a aquisição, diz ele, a Expedia expande sua atuação no mercado latino-americano sem precisar se adaptar às regulações específicas de cada país. 

A Decolar agora está investindo também na adaptação de sua plataforma para que as pessoas fechem suas viagens por dispositivos móveis. Hoje, 20% das compras feitas no Brasil já são finalizadas por meio de tablets ou smartphones. 

Onipresença. Com a presença constante em todas as mídias - sites, veículos impressos e TV-, a Decolar.com conseguiu se estabelecer como um sinônimo de turismo no País, afirma Jaime Troiano, presidente do Grupo Troiano de Branding. “O trabalho (de marca) da empresa é consistente. Eles se tornaram um canal atraente, posicionado em um mercado importante, já que o brasileiro definitivamente está interessado em viajar.”

Tudo o que sabemos sobre:
Negóciosturismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.