Exportação continuará a crescer, mesmo sem acordo na OMC, diz Amorim

Genebra, 22 - As exportações brasileiras continuarão a crescer, mesmo diante da crise nas negociações comerciais internacionais e da falta de acordos entre o Brasil e outros parceiros. Isso pelo menos é o que garante o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim. "Não vamos ser catastrofistas. O comércio vai continuar", afirmou, ao deixar uma reunião com o diretor da Organização Mundial do Comércio (OMC), Pascal Lamy.Amorim ressaltou que durante todo o período em que as crises na OMC ocorreram - foram as diferenças entre Brasil e Estados Unidos que impediram um acordo na Área de Livre Comércio das Américas (Alca) ou a ausência de um acordo entre Mercosul e União Européia - as exportação dos produtos brasileiros nos mercados internacionais continuaram aumentando."Pode ter certeza, o Brasil vai continuar a exportar mais, mais e mais", disse o ministro. "Precisamos da OMC porque precisamos de boas regras, porque precisamos que os subsídios agrícolas acabem. Vamos também continuar trabalhando para abrir mercados. Mas sei que vamos continuar a exportar", assegurou o ministro.Amorim garantiu ainda que o Itamaraty "tem muitos planos" além da OMC no setor comercial. "Queremos ampliar o acordo com a Índia e solidificar as relações no Mercosul e na América Latina", disse. O chanceler, porém, reconheceu que, no caso da região, esse processo "tem dificuldades e que não são poucas".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.