Exportação de açúcar no Porto de Santos diminui após incêndio da Copersucar

Os embarques na semana após o incêndio foram de aproximadamente 300 mil toneladas contra 500 mil nas primeiras semanas do mês 

Angelo Ikeda, da Agência Estado,

28 de outubro de 2013 | 14h07

SÃO PAULO - As exportações de açúcar a partir do Porto de Santos diminuíram desde o incêndio que atingiu o terminal da Copersucar, no dia 18 de outubro. Os embarques na semana após o incêndio foram de aproximadamente 300 mil toneladas, de acordo com dados fornecidos pela administração do porto.

Em cada uma das duas primeiras semanas de outubro, as exportações somaram cerca de 500 mil toneladas. No ritmo atual, os embarques em outubro devem totalizar 1,7 milhão de toneladas, uma queda de 8% ante o mesmo mês do ano passado. Cerca de dois terços das exportações brasileiras de açúcar ocorrem através do Porto de Santos.

O incêndio atingiu todos os seis armazéns usados pela Copersucar, destruindo cerca de 180 mil toneladas de açúcar.

No dia do acidente, os preços do açúcar bruto na Bolsa de Nova York (ICE Futures US) alcançaram a máxima em quase um ano. As cotações vêm recuando desde então porque a oferta da commodity ainda é ampla e suficiente para atender à demanda imediata.

Os estragos causados pelo fogo podem ser um problema no início da próxima safra. Segundo peritos, a recuperação completa do terminal da Copersucar pode levar até 18 meses. A preocupação maior é com a logística, disse Michael McDougall, vice-presidente sênior da corretora Newdge. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
incêndioCopersucar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.