Exportações das cooperativas sobem 32% até agosto, o melhor resultado desde 2005

Entre os produtos exportados, destacam-se açúcar, soja e café, que somam 55,1% do total  

Venilson Ferreira, da Agência Estado,

27 de setembro de 2011 | 18h24

BRASÍLIA - As exportações das cooperativas brasileiras atingiram US$ 3,2 bilhões nos primeiros oito meses deste ano, volume 32% superior ao registrado em igual período do ano passado. Segundo a Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), o resultado foi o melhor para o período desde 2005, quando o levantamento começou a ser realizado pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex), do Ministério do Desenvolvimento. O saldo da balança comercial das cooperativas no acumulado do ano ficou em US$ 3,7 bilhões, valor também recorde, superando em 31,9% o registrado no mesmo período de 2010, quando atingiu US$ 2,8 bilhões.

Márcio Lopes de Freitas, presidente da OCB, comenta que os indicadores comprovam que o movimento cooperativista está respondendo às exigências de mercado com produtos e serviços de qualidade. "O profissionalismo marca a gestão das cooperativas brasileiras e isso reflete nos resultados alcançados. Por isso, trabalhamos com um cenário positivo e a indicação é de que chegaremos a praticamente US$ 5,8 bilhões no final de 2011", disse.

O levantamento mostra que entre os principais produtos exportados destacam-se açúcar, soja em grão e café, que representam 55,1% do total exportado pelas cooperativas. Segundo a OCB, entre os principais produtos exportados houve crescimento expressivo nas vendas de trigo, café em grão, etanol, arroz e feijão, que, juntos, cresceram de US$ 405,2 milhões para US$ 975,5 milhões, representando incremento de mais de 140% no período.

Mercados

Em relação aos mercados de destino, as vendas externas das cooperativas alcançaram, no período de janeiro a agosto de 2011, 128 países. Em igual período de 2010, esse número foi de 129. Por conta de sua participação no total das vendas do setor, merecem destaque os seguintes destinos: China (vendas de US$ 476,5 milhões, representando 12,2% do total); Emirados Árabes (US$ 389,9 milhões, 10%); Alemanha (US$ 353,5 milhões, 9,1%); Estados Unidos (US$ 281,3 milhões, 7,2%); e Países Baixos (US$ 199,8 milhões, 5,1%).

Estados exportadores

Nos primeiros oito meses de 2011, 20 Unidades da Federação registraram exportações de cooperativas, três a mais que em igual período de 2010. O Paraná foi o estado com maior valor de exportações, US$ 1,33 bilhão, 34,2% do total das exportações do segmento. Em seguida, ficaram São Paulo (US$ 1,31 bilhões, 33,7%); Minas Gerais (US$ 476,7 milhões, 12,2%); Rio Grande do Sul (US$ 292,1 milhões, 7,5%); e Santa Catarina (US$ 182,1 milhões, 4,7%).

Importações

Segundo a OCB, houve expansão de 33,8% nas importações feitas pelas cooperativas. De janeiro a agosto deste ano as compras somaram US$ 221,6 milhões, ante US$ 165,6 milhões nos primeiros oito meses do ano passado. Entre os principais produtos importados pelas cooperativas destacam-se cloreto de potássio (US$ 39,5 milhões); cevada cervejeira (US$ 23,8 milhões); malte não torrado (US$ 17,7 milhões); e diidrogeno-ortofosfato de amônio (US$ 17,2 milhões).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.