Falha gerou alterações nas milhas, afirma Smiles

A Smiles informou na noite desta quarta-feira, 17, que, por uma falha no sistema, foram geradas alterações indevidas nas quantidades mínimas de milhas exigidas para emissão de bilhetes aéreos com suas parceiras aéreas internacionais. Segundo o comunicado, enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), o sistema passou a cobrar uma quantidade de milhas superior aos valores que constam na tabela de resgate de parceiros aéreos. A falha não afetou a emissão de nenhum trecho ou bilhete de voos operados pela Gol.

MARCELLE GUTIERREZ, Agencia Estado

17 de julho de 2013 | 21h21

A Smiles enfatiza que as milhas debitadas acima dos valores mínimos estipulados nas tabelas de resgate serão devolvidas aos cerca de 4 mil participantes possivelmente afetados. O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) começou a investigar a Smiles por ter aumentado o número de pontos necessários para a emissão de passagens aéreas sem ter comunicado os consumidores.

Segundo texto publicado pelo grupo Estado na última segunda-feira, 15, o promotor Guilherme Fernandes Neto, responsável pela apuração, disse que o Código de Defesa do Consumidor (CDC) garante que os consumidores devem receber informações "claras e precisas" das empresas, e que contratos entre as partes não podem ter seus termos alterados de forma unilateral. Sobre essa investigação do Ministério Público, no entanto, a Smiles informa no comunicado de hoje que, até o momento, não recebeu qualquer documento.

Tudo o que sabemos sobre:
Smilesmilhas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.