Falta de escritórios e voos dificulta investimentos no Rio

Durante seminário, o governador Sérgio Cabral ouviu reclamações sobre os gargalos da capital

21 de setembro de 2011 | 10h11

O forte interesse dos investidores pelo Rio de Janeiro revela gargalos e abre dificuldades para as empresas estrangeiras que pretendem estabelecer negócios na cidade. Durante seminário realizado hoje (21) em Londres, o governador Sérgio Cabral (PMDB) ouviu reclamações sobre a falta de escritórios para alugar no centro e a carência e o custo elevado dos voos para o Rio.

Participantes do evento revelaram que há diversas empresas interessadas em abrir representações na cidade, mas os planos esbarram em limitações. O elevado preço dos imóveis e do custo de vida também é uma reclamação recorrente dos estrangeiros que fazem negócios no Rio. Os executivos ficam chocados ao constatar que os gastos na capital carioca muitas vezes superam as cifras de Londres, especialmente em razão da valorização do real.

O ex-cônsul britânico em São Paulo Martin Raven afirmou que os investidores não encontram escritórios para alugar no centro do Rio e têm dúvidas se devem se estabelecer na região mais afastada da Barra - que será ligada por metrô até Copacabana somente em 2015.

Atualmente, apenas a British Airways e a TAM oferecem voos diretos entre Londres e o Rio, a preços que também são considerados salgados. "Os preços são um reflexo da demanda", disse Michael Charlton, diretor internacional da Rio Negócios, agência de promoção de investimentos no Rio, com escritório em Londres, que oferece consultoria a investidores estrangeiros.

Para o governador Sérgio Cabral, a cidade enfrenta hoje um "doce problema" da forte procura internacional. "A oferta de novas salas e escritórios precisa ser acelerada", reconhece. Ele lembrou que, em 2007, a cidade contava com muitos escritórios vazios.

(Daniela Milanese, da Agência Estado)

Tudo o que sabemos sobre:
Rio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.