Faturamento de TV paga segue acima da televisão aberta

O presidente da Associação Brasileira de TV por Assinatura (ABTA), Oscar Simões, disse nesta terça-feira que os serviços pagos tendem a manter um faturamento superior aos das emissoras abertas. "Estamos falando de um mercado em crescimento frente a um maduro", afirmou em entrevista a jornalistas.

RODRIGO PETRY, Agencia Estado

30 de julho de 2013 | 13h44

Segundo ele, enquanto a TV paga conta com uma receita proveniente de assinaturas de clientes, publicidade e serviços agregados, como banda larga, as emissoras abertas contam apenas com a propaganda comercializada. "Temos diversas fontes de receita, o que garante essa manutenção (de liderança)", disse.

Desde o ano passado, a TV paga ultrapassou o mercado de televisão aberta, segundo a ABTA e o Projeto Inter-Meios. Para este ano, a projeção da associação de TV paga é de um faturamento de R$ 28 bilhões.

Simões afirmou que a projeção de 18,5 milhões de assinantes para o setor ao término deste ano contempla a revisão de dados equivocados sobre o setor divulgados recentemente. "Eu acredito que os números serão corrigidos (pela Anatel)", afirmou.

A Sky inflou em cerca de 200 mil assinantes a sua base de clientes este ano, segundo sua própria controladora, a DirecTV. Já a Net contestou a contabilização de 100 mil assinantes a menos, por parte da Anatel.

Ao ser questionado sobre a concorrência com a televisão paga via internet (IPTV). Ele afirmou que há espaço para crescimento em ambas as modalidades. "Ainda temos uma baixa penetração da TV paga, de 30%. Há espaço para todos crescerem", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
ABTATV paga

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.