Fed autoriza depósito a termo para enxugar liquidez do mercado

Nos depósitos a termo os bancos são encorajados a comprometer recursos que estão no banco central por um certo período

Clarissa Mangueira, da Agência Estado,

30 de abril de 2010 | 14h27

O Federal Reserve (Fed) autorizou um instrumento que poderá ser usado para drenar temporariamente parte da liquidez que injetou no mercado para combater a crise financeira. Segundo comunicado, o Fed poderá oferecer depósitos a termo a instituições que são elegíveis a receber lucros em seus balanços nos bancos do Fed. Trata-se de uma emenda às normas do Fed sobre depósitos compulsórios que havia sido proposta em dezembro. Nos depósitos a termo os bancos são encorajados a comprometer recursos que estão no banco central por um certo período.

A ferramenta poderá ser usada pelo Fed, se necessário, para absorver o dinheiro acumulado no sistema bancário antes que o dinheiro aumente a inflação.

Os depósitos a termo, que são depósitos com uma data específica de vencimento que são detidos por instituições elegíveis nos bancos do Fed, serão oferecidos por meio de um Programa de Depósito a Termo (TDF, na sigla em inglês). "Os depósitos a termo serão um dos diversos instrumentos que o Federal Reserve poderá empregar para drenar as reservas quando a autoridade monetária julgar que é apropriado começar a passar para uma postura menos acomodatícia de política monetária", destacou o Fed. Segundo o BC, o TDF é "uma questão de um planejamento prudente e não tem consequências para o comportamento de curto prazo da política monetária".

O Fed disse que os passos necessários para participar do programa serão informados posteriormente. Mas, segundo as informações preliminares, o TDF cria uma linha de leilões de depósitos a termo, pela qual o Fed oferecerá os depósitos a instituições. Estas poderão manter depósitos a termo e receber juros que não ultrapassem a média das taxas de curto prazo. Esses depósitos seriam contabilizados à parte e não poderiam ser usados como patrimônio líquido de empréstimo ou para cobrir obrigações diárias dos bancos.

Nesta semana, os membros do Fed decidiram manter as taxas de juros em uma faixa muito baixa. Eles disseram que a economia dos EUA continua a se fortalecer, mas a folga que sobrou da recessão é grande o suficiente para justificar as taxas próximas de zero por um "período prolongado". Os membros do Fed observaram que o mercado de trabalho está começando a melhorar, mas o desemprego ainda elevado está contendo os gastos do consumidor.

Um comunicado do Departamento do Comércio mostrou nesta sexta-feira que a economia dos EUA cresceu vigorosamente no primeiro trimestre, a uma taxa anualizada de 3,2%, impulsionada por uma alta acentuada dos gastos do consumidor. Os dados também mostraram que a inflação permaneceu benigna. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.