Fed diz em ata que poderá investir no mercado de hipotecas

BC dos EUA vê necessidade de reinvestir em Treasuries os recursos dos títulos lastreados em hipotecas para evitar aperto monetário

Regina Cardeal, da Agência Estado,

31 de agosto de 2010 | 16h08

A decisão do Federal Reserve de reinvestir em Treasuries os recursos procedentes dos títulos lastreados em hipotecas que estão vencendo em sua carteira foi um sinal de política monetária estável, embora a autoridade monetária tenha considerado a possibilidade de reinvestir em hipotecas no futuro, segundo a ata da reunião do comitê de política monetária do banco central norte-americano, o Fomc, ocorrida em 10 de agosto.

Na ocasião, as autoridades também mantiveram a meta da taxa dos Fed Funds entre zero e 0,25%, recorde de baixa.

A maioria dos membros do Fomc concordou que a nova estratégia de reinvestir os recursos das hipotecas em Treasuries é necessária para evitar um aperto indesejável, dado o enfraquecimento da recuperação econômica. "A maior parte dos membros julgou que, à luz das atuais condições no mercado de títulos lastreados em hipotecas e o desejo do comitê de normalizar a composição da carteira do Fed, seria melhora reinvestir em Treasuries de longo prazo do que em títulos hipotecários", diz a ata.

Embora a renovação do programa de compra de ativos concluído em março não tenha sido discutida, as autoridades do Fed deixaram em aberto a opção de colocar os recursos novamente no mercado hipotecário. "Embora o reinvestimento em Treasuries fosse visto como preferível nas atuais condições do mercado, reinvestir em títulos hipotecários pode se tornar desejável se as condições mudarem", afirma a ata.

Notando sinais de uma desaceleração no comunicado ao fim da reunião, o Fomc anunciou planos de "ajudar a sustentar a recuperação econômica", ao anunciar a decisão de reinvestir os recursos da venda de hipotecas em Treasuries.

Segundo fontes ouvidas pelo Wall Street Journal, a opção pelo reinvestimento dos recursos dividiu as autoridades que participaram da reunião, com pelo menos sete das 17 pessoas presentes ao encontro afirmando serem contrárias ou demonstrando reservas em relação à adoção dessa política. No entanto, o presidente do Fed de Kansas, Thomas Hoenig, foi mais uma vez o único voto contrário entre os dez membros votantes do Fomc.

A ata mostra que o Fed está cada vez mais dividido sobre qual caminho tomar diante do desemprego muito alto e da inflação muito baixa. "Uns poucos membros manifestaram preocupação de que reinvestir o principal da dívida de agências e hipotecárias em Treasuries poderia enviar um sinal inadequado aos investidores sobre a prontidão do comitê para retomar compras de ativos em grande escala".

Mas vários membros do comitê disseram que o banco central deve considerar quais passos devem ser dados para afrouxar mais a política monetária "se o cenário se enfraquecer significativamente mais".

"Pesando a informação disponível, os participantes novamente esperam que a recuperação continuará e ganhará força em 2011", afirma a ata. No entanto, a maioria dos membros do Fomc reconheceu que a economia está muito mais fraca do que se pensava anteriormente e acrescentou que agora acreditam que o crescimento será mais "modesto" do que previam na reunião de junho. Eles consideraram que os riscos de deflação são "bastante pequenos", embora alguns acreditem que o risco de desinflação aumentou um pouco. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
FedEUAhipotecasjurosTreasuries

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.