Fed e BC japonês mostram cautela com meta de inflação

Para Bernanke, BC dos EUA deve manter compromisso com meta de inflação de 2%

Reuters,

26 de maio de 2010 | 10h09

O chairman do Federal Reserve, Ben Bernanke, disse que as expectativas de inflação nos Estados Unidos estão estáveis, apesar das oscilações de preços dos últimos anos, sugerindo que o banco central não vê necessidade de mudar sua atual postura sobre o assunto.

O presidente do Banco do Japão, Masaaki Shirakawa, também alertou sobre o perigo de se focar demasiadamente nos movimentos de preços de curto prazo para tomar decisões de política monetária, enfatizando sua resistência aos pedidos de políticos de determinar uma meta de inflação.

Em conferência organizada pelo Banco do Japão nesta quarta-feira, 26, Bernanke rebateu sugestões de que o Fed poderia considerar uma meta de inflação.

"Será uma transição muito arriscada se nós reduzirmos nosso comprometimento a uma inflação de 2% ou aproximadamente 2%. Nós não estamos seguros sobre como as expectativas reagiriam", disse Bernanke em Tóquio.

"Apesar dos aumentos na inflação há alguns anos e agora declínios da inflação para níveis muito baixos, as expectativas de inflação nos Estados Unidos estão estáveis."

Bernanke estava respondendo a uma pergunta sobre uma proposta de um estudo do Fundo Monetário Internacional (FMI) de que os bancos centrais deveriam considerar elevar suas metas de inflação para 4%, para lidar melhor com futuras crises deflacionárias.

Bernanke repetiu ainda em sua discurso seu pedido pela independência do Fed, dizendo que os bancos centrais administram melhor seus mandatos de crescimento central estável e inflação baixa quando livres de pressões políticas.

"Interferência política na política monetária pode gerar ciclos indesejáveis de 'booms' que, no fim, levam a uma economia menos estável e a uma inflação mais alta."

Por Leika Kihara e Stanley White

Tudo o que sabemos sobre:
FedTóquioBernankeinflação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.