Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Fed não pretende resgatar zona do euro, diz Bernanke

Segundo republicanos, presidente do Fed reconheceu, entretanto, que a crise de dívida na zona do euro poderá realmente prejudicar a economia dos Estados Unidos

Agência Estado,

14 de dezembro de 2011 | 21h16

NOVA YORK - O presidente do Federal Reserve, Ben Bernanke, disse aos senadores republicanos hoje que os contribuintes americanos não irão pagar para socorrer a Europa. Ele reconheceu, entretanto, que a crise de dívida na zona do euro poderá realmente prejudicar a economia dos Estados Unidos.

Durante o encontro com os parlamentares de oposição, relatou o senador Bob Corker (Tennessee), Bernanke deixou claro que o Fed não tem autoridade ou intenção de resgatar a zona do euro.

A reunião de Bernanke com a bancada republicana no Senado sobre o impacto da crise da dívida na zona do euro sobre a economia dos Estados Unidos ocorreu a portas fechadas. "Acho que todos saíram daqui sabendo que ele não tem nenhuma intenção de adotar um envolvimento adicional dos EUA na crise", afirmou Corker.

Segundo o senador Mike Johanns (Nebraska), Bernanke reconheceu que a economia americana poderá ser atingida se a União Europeia começar a se desmembrar. O republicano Richard Shelby, senador pelo Alabama que coordena o painel do Senado que supervisiona o Fed, disse que Bernanke estava muito confiante em relação à crise na Europa. "A situação é desoladora", criticou.

Há duas semanas, o Fed cortou os juros das operações de swap de dólar com os principais bancos centrais, incluindo o BCE, o que gerou uma corrida dos bancos da zona do euro para garantirem acesso ao financiamento mais barato em dólar. A decisão renovou as críticas dos republicanos ao programa do Fed, lançado originalmente durante a crise financeira de 2008. O Fed tem defendido firmemente o programa, dizendo que ele é necessário para diminuir as pressões nos mercados financeiros globais que também ameaçam a economia dos EUA.

As informações são da Dow Jones. (Andréia Lago)

Tudo o que sabemos sobre:
FedBen Bernankecrise do euro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.