Ferrugem infesta 80% da área de cultivo de soja no Brasil, diz CNA

Brasília, 9 - A produção brasileira de soja em 2004/05 deve superar 60 milhões de toneladas, contra colheita de 49,7 milhões de toneladas este ano. A estimativa é do representante da Confederação de Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Alécio Maróstica. Ele disse que no quadro mais otimista, "se São Pedro for benevolente demais", a colheita poderá chegar a 65 milhões de toneladas. Ele admitiu, no entanto, que a ocorrência de ferrugem asiática poderá prejudicar a produção. "Analisando um levantamento de campo com as lavouras que brotaram depois da colheita, percebemos que há o prenúncio de um novo ataque, superior ou igual ao da safra 2002/03 na próxima estação", disse. Maróstica afirmou que 80% das áreas cultivadas com soja no Brasil estão contaminadas com o fungo da ferrugem. Na safra 2003/04 a ocorrência do fungo foi responsável pela quebra de 5 milhões de toneladas na produção, e redução significativa na produtividade. As lavouras que atingiam produtividade (recorde no mundo) de 2,8 mil quilos por hectare, tiveram média de 2,4 mil quilos por hectare no último verão. Segundo o técnico da CNA, muitos produtores não tiveram acesso à tecnologia, e não puderam aplicar fungicidas para combater o problema, e que a oferta de químicos não foi suficiente para a demanda, o que elevou o custo da aplicação de R$ 120 por hectare para R$ 240 por hectare. Em reunião hoje na CNA, as empresas que fabricam o fungicida contra a ferrugem disseram que a oferta será suficiente para a demanda na nova safra. Maróstica estimou que serão necessários 26 milhões de litros de fungicida para que sejam feitas duas aplicações durante o ciclo das lavouras. "Na safra passada os produtores fizeram uma só aplicação de fungicida, e a demanda foi de 16 milhões de litros. Mesmo assim faltou produto", disse. Ele pediu ao governo que apresse o registro de novos produtos para controle da ferrugem. Há no País 19 marcas registradas para combate ao fungo, e outras seis aguardam registro no Ministério da Agricultura.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.