FGV: alta no preço dos alimentos acelera IPC-S para 0,40%

Rio, 18 - O aumento de preços praticamente generalizado no setor de alimentação conduziu à leve aceleração na taxa do Índice de Preços ao Consumidor - Semanal (IPC-S), que subiu 0,40% na quadrissemana encerrada em 15 de junho, ante aumento de 0,39% no IPC-S anterior, de até 7 de junho. A informação é do economista da Fundação Getúlio Vargas (FGV), André Braz.De acordo com o economista, na passagem do IPC-S de até 7 de junho para o índice de até 15 de junho foram registradas acelerações de preços tanto em alimentos processados quanto em alimentos in natura. É o caso de arroz e feijão (de 0,31% para 0,93%); aves e ovos (de 0,12% para 0,67%); e laticínios (de 5,01% para 5,80%).O economista informou ainda que, no caso desse último segmento, o aumento de preços está bem espalhado. Isso porque atualmente o preço do leite está em forte aceleração no atacado - e esse aumento de preços se reflete no varejo. "O segmento de laticínios pesquisado pela FGV tem 16 itens - desse total, 13 produtos estão em aceleração", disse. O aumento no preço do leite tipo longa vida passou de 10,02% para 11,72% - a mais intensa elevação desde o início da série histórica do IPC-S, criado em janeiro de 2003.Outros destaques de aceleração de preços, relacionados à alta do preço do leite, foram manteiga (de 0,50% para 1,04%); e sorvete (de 2,86% para 3,32%).Para a próxima apuração do indicador, que será referente à quadrissemana encerrada em 22 de junho, o economista espera uma taxa próxima à anunciada hoje (de 0,40%). Braz explicou que, atualmente, duas classes de despesas estão com os preços em forte variação, no âmbito do indicador: alimentação, cujos preços estão em aceleração; e transportes, cujos preços estão em queda (de -0,28% no IPC-S anunciado hoje). "Como não há influência de tarifas públicas para a próxima apuração, essas duas classes de despesa devem continuar pressionando, uma para cima, outra para baixo - o que deve conduzir a uma taxa bem próxima à anunciada hoje", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.