FGV: fim da deflação dos preços dos alimentos puxa IGP-M

Rio, 21 - Segundo a FGV, a aceleração na taxa do IPC, na passagem da segunda prévia do IGP-M de maio para igual prévia do mesmo indicador em junho (de 0,13% para 0,22%), foi influenciada inteiramente pelo fim da deflação nos preços do grupo Alimentação (de -0,77% para 0,42%). Ainda segundo a FGV, esta foi a única classe de despesa a registrar aceleração de preços, no período, entre as sete pesquisadas para cálculo do IPC.Na análise dos preços dos produtos no varejo, as altas de preços mais expressivas, na segunda prévia do IGP-M de junho, foram apuradas em leite tipo longa vida (8,99%); empregada doméstica mensalista (2,24%); e condomínio residencial (1,02%). Já as mais significativas quedas de preços foram registradas em tomate (-10,83%); laranja pêra (-8,18%); e álcool combustível (-3,86%).No varejo, o IPC acumula elevações de 2,50% no ano e de 3,53% em 12 meses, até a segunda prévia do IGP-M de junho, anunciada hoje pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) - sendo que o IPC representa 30% do total do IGP-M.Os outros grupos apresentaram desaceleração ou deflação de preços. É o caso de Habitação (de 0,41% para 0,37%); Vestuário (de 0,93% para -0,40%); Saúde e Cuidados Pessoais (de 0,70% para 0,42%); Educação, Leitura e Recreação (de 0,05% para -0,04%); Transportes (de 0,37% para -0,30%) e Despesas Diversas (de 0,81% para 0,15%).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.