Marco Bertorello e Loic Venance / AFP
Marco Bertorello e Loic Venance / AFP

Fiat Chrysler propõe fusão com Renault; negócio pode criar 3ª maior montadora do mundo

Acordo deixaria o grupo atrás somente de Volks e Toyota; no Brasil, a companhia assumiria a liderança

Cleide Silva, O Estado de S.Paulo

27 de maio de 2019 | 06h22
Atualizado 28 de maio de 2019 | 10h57

A Fiat Chrysler (FCA) propôs nesta segunda-feira, 27, à Renault uma fusão de participações igualitárias (50% cada) que, se aprovada pela marca francesa criará o terceiro maior grupo automotivo do mundo, com vendas de 8,7 milhões de veículos, conforme resultados de 2018.

No Brasil, a parceria coloca a nova empresa no topo do mercado, com vendas de 646 mil unidades, muito superior ao volume da atual líder General Motors.

Segundo a FCA, a junção resultaria em mais de 5 bilhões de ganhos por ano em sinergias e não haverá fechamento de nenhuma fábrica. O grupo ítalo-americano tem 102 fábricas no mundo e o francês, 34. Juntos, empregam quase 380 mil funcionários.

Se Nissan e Mitsubishi, que já formam uma aliança global com a Renault – hoje abalada após a prisão do líder Carlos Ghosn, por suspeitas de fraudes –, também participarem da fusão com a FCA, a nova companhia seria praticamente imbatível no mercado, com vendas superiores a 15 milhões de veículos. A Volkswagen, maior grupo automotivo no ano passado, vendeu 10,6 milhões de veículos.

A Renault informou que vai “estudar com interesse a oportunidade de uma aproximação”, mas não deu prazo para a decisão. A parceria, tendência global que vem sendo avaliada por todas as marcas, “faz todo sentido pois não há dinheiro que chegue para atender o novo mercado”, afirma Paulo Cardamone, presidente da Bright Consulting, referindo-se ao novo papel das montadoras com a chegada de veículos com elevado índice tecnológico, conectados, elétricos e autônomos.

Escala de produção

Cardamone acredita que o Brasil será um dos grandes beneficiados. “O novo grupo passaria a ter importante escala de produção e seria líder, com quase 30% do mercado”. Segundo ele, “só a consolidação de áreas como financeira, contábil e de recursos humanos resultaria em corte absurdo de custos”.

Para a Fiat Chrysler, a parceria daria acesso a novas tecnologias, como a de carros elétricos, segmento que a marca francesa lidera na Europa. Já a Renault poderia entrar no gigante mercado norte-americano.

Dona de marcas de automóveis que incluem as luxuosas Maserati e Alfa Romeo, a FCA cita grandes economias em compras, eficiências em pesquisa e desenvolvimento, em manufatura e ferramental, redução de número de plataformas de veículos e de motores. Os resultados já seriam positivos a partir do segundo ano de sinergia, prevê a FCA. Pelos cálculos da empresa, os rendimentos combinados chegariam a € 170 bilhões, com lucro líquido de mais de € 8 bilhões.

O ex-presidente da FCA, Sergio Marchionne, morto em 2018 e responsável pela compra da americana Chrsyler pela italiana Fiat, vinha negociando parcerias há vários anos. Houve discussões com Volkswagen, GM e PSA Peugeot Citroën, sem sucesso. Foi ele quem começou as conversas com a Renault.

Em visita ao Brasil na semana passada para anunciar a nova fábrica de motores em Betim (MG), o presidente mundial da FCA, Mike Manley, confirmou que o grupo “sempre busca fortalecer sua posição e continuará fazendo isso.” Outra recente parceria global é a da Ford e Volkswagen, inicialmente para a área de picapes e vans. 

Companhias em números

  • Valor na Bolsa

Renault: € 17 bilhões 

FCA: € 19 bilhões

Total: € 36 bilhões

  • Volume de negócios

Renault: € 57,4 bilhões em 2018 

FCA: € 110 bilhões

Total: € 167,4 bilhões

  • Volume de vendas anuais

Renault: 3,9 milhões de veículos vendidos em 2018

FCA: 4,8 milhões 

Total: 8,7 milhões

  • Lucro líquido

Renault: € 3,4 bilhões em 2018 

FCA: € 3,6 bilhões

Total: € 7 bilhões

  • Lucro operacional

Renault: € 3,6 bilhões em 2018

FCA: € 4,1 bilhões

Total: € 7,7 bilhões

  • Margem operacional

Renault: 6,3% do volume de negócios

FCA: 3,7% 

  • Lucro por veículo vendido

Renault: € 930 por veículo

FCA: € 848 por veículo

  • Principais marcas

Do grupo Renault: Renault, Dacia, Alpine, Lada e Samsung Motors

Da FCA: Fiat, Chrysler, Alfa Romeo, Jeep, Abarth, Lancia, Maserati, Dodge e Ram

(Fontes: fabricantes e Center Automotive Research)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.