Fiat corta dívida, quer ampliar participação na Europa

A Fiat previu nesta quarta-feira que sua principal marca vai aumentar participação no mercado de automóveis europeu no segundo semestre de 2011. A companhia fez a previsão depois de surpreender investidores ao apresentar redução de dívida.

LISA JUCCA, REUTERS

20 de abril de 2011 | 15h02

Vendas fortes no Brasil e também no segmento de comerciais leves ajudou a companhia a minimizar vendas fracas de automóveis na Europa. A companhia informou que espera que sua participação de 7,1 por cento no continente cresça no final de 2011.

A Fiat reduziu dívida líquida para 489 milhões de euros (704,1 milhões de dólares) contra expectativas de analistas divulgada pela montadora de 815 milhões de euros.

"As receitas têm sido elevadas pelo efeito Brasil, mas as ações estão subindo agora por causa da queda na dívida líquida", disse Erich Hauser, analista do Credit Suisse.

A Fiat divulgou ainda nesta quarta-feira lucro de 251 milhões de euros, ligeiramente acima da expectativa do mercado, de 245 milhões.

A companhia comentou que sua participação no mercado brasileiro vai ficar estável em 2011 sobre 2010. No final de março, a fatia da empresa no Brasil era de cerca de 22 por cento.

Em comunicado, a Fiat não comentou sobre os problemas na cadeia de autopeças do Japão, que estão afetando rivais desde que o país foi atingido por terremotos e tsunami no mês passado.

Mas a empresa disse à Reuters que teve de reduzir o número de cores oferecidas aos consumidores porque não pode receber certos pigmentos produzidos no Japão.

A companhia comentou que vai voltar a operar com a marca Alfa Romeo no mercado dos Estados Unidos com um novo modelo em 2012.

Tudo o que sabemos sobre:
AUTOSFIATEUROPA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.