Tasso Marcelo/Estadão
Tasso Marcelo/Estadão

Fibria reduz investimento em fábrica para US$ 2,3 bilhões

Empresa diz que projeto teve ganhos de eficiência; anteriormente, aporte previsto no MS era de US$ 2,5 bilhões

Marcelle Gutierrez, O Estado de S.Paulo

21 Setembro 2016 | 23h46

A Fibria, maior produtora de celulose de fibra curta do mundo, anunciou ajustes na expansão da fábrica de Três Lagoas (MS), projeto conhecido como Horizonte 2. A expansão física atingiu 54% e o investimento total foi reduzido de US$ 2,5 bilhões para US$ 2,3 bilhões.

A empresa informou, em nota, que a capacidade de produção está mantida em 1,95 milhão de toneladas de celulose por ano e que o ajuste nos aportes ocorre em decorrência de ganhos de eficiência, produtividade e negociações. Segundo a nota, as obras seguem dentro do cronograma. A previsão para conclusão é mantida para o início do quarto trimestre de 2017.

“A posição de caixa da Fibria, em torno de US$ 870 milhões, mais os financiamentos já contratados, além da própria geração de caixa livre da empresa, são suficientes para a execução do Projeto Horizonte 2”, afirmou o diretor de finanças e de relações com investidores da empresa, Guilherme Cavalcanti, na nota.

A alavancagem (relação entre dívida e a geração de caixa, medida) da Fibria finalizará o terceiro trimestre de 2016 pouco acima de 2 vezes o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações), segundo Cavalcanti. “A estrutura de capital está confortável. Tem capacidade financeira com o caixa e linhas contratadas para ir até 2018”, frisou.

A demanda por celulose foi boa em agosto e setembro, disse o diretor Comercial da Fibria, Henry Philippe Van Keer, ontem em teleconferência. “A demanda está boa e os preços não tem mais espaço para cair, então a gente só vê um sentido.” Apesar do otimismo de Van Keer, as ações das produtoras de celulose foram castigadas ontem. A Suzano PNA fechou a R$ 9,58 (-3,62%), enquanto a Fibria ON terminou a R$ 21,85 (-3,32%).

Mais conteúdo sobre:
Fibria Suzano

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.