Fibria reitera que inclusão no Reintegra geraria ganhos

A diretoria da Fibria reiterou nesta terça-feira, 23, que uma possível inclusão da celulose no Regime Especial de Reintegração de Valores Tributários para Empresas Exportadoras (Reintegra) resultaria em ganhos de R$ 90 milhões a R$ 100 milhões por ano. Em novembro do ano passado, o diretor Financeiro da companhia, Guilherme Cavalcanti, já havia informado que o ganho somaria cerca de R$ 100 milhões ao ano.

ANDRÉ MAGNABOSCO, Agencia Estado

23 de abril de 2013 | 16h05

Acreditava-se que o anúncio da inclusão da celulose no Reintegra pudesse ter ocorrido em março passado. Como não aconteceu, a diretoria da Fibria agora prefere não fazer projeções de quando a medida seria oficializada.

Mas, ainda que não haja prazos, a inclusão da celulose no Reintegra parece estar mais próxima. No início deste mês, o governo federal divulgou uma nova agenda setorial que prevê, no setor de papel e celulose, a inclusão da celulose no Reintegra, além de medidas de fortalecimento às fabricantes de papéis. O prazo estipulado para a adoção da medida, conforme o mesmo documento, seria até dezembro deste ano.

O Reintegra prevê a devolução ao exportador de bens industrializados de até 3% do valor das vendas externas. No caso da Fibria, mais de 90% das receitas são provenientes de exportações.

Tudo o que sabemos sobre:
FibriaReintegrainclusão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.