Financiamento habitacional da Caixa Econômica cresce 112%

'Vamos fazer tudo que aparecer. A meta é contratar o máximo possível, diz vice-presidente da instituição

Chiara Quintão, da Agência Estado,

21 de maio de 2009 | 11h52

Os financiamentos imobiliários da Caixa Econômica Federal (CEF) somaram R$ 11,739 bilhões no acumulado de 2009 até a última segunda-feira, 18, valor 112% maior do que o registrado em igual período de 2008. Nesse intervalo, foram registrados 248,689 mil contratos, o que representa uma alta de 120% ante o verificado no período correspondente do ano passado. Segundo a Caixa, foram 2.703 contratos por dia útil, o correspondente a média diária de R$ 127 milhões.

 

Veja também:

especialVeja como será implantado o plano habitacional do governo

especialEntenda o programa de habitação do governo federal

especialAs medidas do Brasil contra a crise

 

A projeção de financiamento imobiliário da Caixa para este ano, divulgada antes do programa habitacional do governo federal "Minha Casa, Minha Vida", era de R$ 27 bilhões. O vice-presidente de governo da Caixa, Jorge Hereda, afirmou nesta quinta que o total de financiamentos deve ficar acima desse valor, com o lançamento do programa, mas preferiu não estabelecer uma nova projeção. Segundo ele, o orçamento da Caixa será revisto no período de junho e julho. "Vamos fazer tudo que aparecer. A meta é contratar o máximo possível dentro do programa (Minha Casa, Minha Vida)", afirmou.

 

A Caixa recebeu, até a última terça-feira (dia 19), 391 projetos enquadrados no programa "Minha Casa, Minha Vida", o que corresponde a 71.496 unidades e a um Valor Global de Vendas (VGV) de R$ 5,3 bilhões. Segundo a Caixa, o número de unidades em análise equivale a 7,15% do total previsto no programa.

 

Das unidades em avaliação, 26.008 são destinadas à faixa de até três salários mínimos de renda; 23.005 para o segmento de três a seis salários mínimos e 21 mil unidades para a faixa de até 10 salários mínimos. São 96 empreendimentos para o segmento de até três salários mínimos, 167 para a faixa intermediária e 128 para o segmento de maior renda dentro do programa.

 

Segundo Hereda, anteriormente ao programa, o estoque de projetos e de empreendimentos nas incorporadoras estava mais concentrado na faixa intermediária de renda do que na faixa mais baixa. "O número de unidades para a faixa de até três salários mínimos que temos em análise é muito significativo nesse contexto", afirmou. "Não esperávamos uma mudança tão rápida no perfil das unidades."

 

A instituição realiza, de hoje até o próximo domingo (dia 24), o 5º Feirão Caixa da Casa Própria, em São Paulo. Dos 110 mil imóveis oferecidos no feirão, 28,5 mil estão enquadrados no programa. Conforme a Caixa, até o momento, 18 Estados aderiram ao "Minha Casa, Minha Vida".

 

MP

 

Hereda afirmou também que a participação de outros bancos como agentes financeiros do programa habitacional "Minha Casa, Minha Vida", determinada ontem pela Câmara dos Deputados na aprovação da Medida Provisória (MP), é saudável. "Para a velocidade que o Brasil quer, quanto mais agentes melhor", disse, referindo-se à pressa do governo na execução do programa.

 

Na quarta-feira, a Câmara dos Deputados aprovou a MP que cria o programa habitacional "Minha Casa, Minha Vida", mantendo as linhas básicas do programa e retirando da Caixa a condição de única operadora dos recursos do programa.

 

Hereda afirmou que esse já era o objetivo do governo desde o anúncio do programa. "Desde o início, outros bancos poderiam operar o programa. Foi uma decisão do governo", afirmou. O executivo ressaltou que a Caixa tem a maior experiência e as melhores condições para a faixa de renda abrangida no programa. "Vamos fazer o máximo para o programa dar certo", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.