Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Fintechs estrangeiras chegam ao Brasil para disputar espaço com o Nubank

Britânica Revolut e a alemã N26 devem começar a operar no País no 2º semestre, e prometem inovações como a possibilidade de uma conta global

Lucas Agrela, O Estado de S.Paulo

05 de junho de 2022 | 14h00

Após o Nubank conquistar mais de 50 milhões de clientes, fintechs do exterior abriram os olhos para o Brasil. É o caso de dois gigantes do setor na Europa que têm o País na mira e devem começar a atuar aqui nos próximos meses: Revolut e N26. Serão as primeiras grandes fintechs de fora a disputar o mercado com as startups brasileiras. 

A Revolut é a maior delas, avaliada em US$ 33 bilhões e com mais de 15 milhões de clientes em 35 países. Fundada no Reino Unido, a empresa anunciou sua chegada ao Brasil a partir do segundo semestre deste ano. 

No mesmo período, a alemã N26 também deve finalmente iniciar suas operações. Será a segunda tentativa da empresa de entrar no mercado brasileiro - ela “ameaçou” chegar ao País em 2019, mas acabou desistindo em 2020, diante da pandemia de covid-19. O movimento não é incomum para a empresa, que se retirou recentemente dos EUA. 

Tanto a Revolut quanto a N26 vão atuar no Brasil, inicialmente, como fintechs de crédito. Sendo assim, podem oferecer conta de pagamentos, cartão de crédito e financiamentos com recursos próprios. Com o tempo, ambas planejam ampliar o escopo de serviços - e não descartam aquisições. 

O foco inicial, porém, é no crescimento com recursos próprios, obtidos com fundos de capital de risco. Segundo dados da plataforma de informações financeiras Crunchbase, as duas empresas já captaram US$ 1,7 bilhão cada. Porém, o valor ainda é menos da metade dos US$ 3,9 bilhões recebidos pelo Nubank durante a fase anterior à abertura de capital.

As fintechs gringas chegam ao País em um momento delicado para o Nubank, que abriu capital em dezembro de 2021. Passado o sucesso do IPO, que levou a empresa a ser brevemente o maior banco da América Latina, hoje o neobanco é negociado a menos da metade do pico de valorização na Bolsa. 

Além do Nubank, Revolut e N26 terão muita competição no mercado brasileiro, como o Banco Inter, C6 Bank, Neon e Original. A competição também vem dos grandes bancos, com o iti, do Itaú, e o Next, do Bradesco, além da conta digital do BTG Pactual.

“Vimos muitas startups nascendo no Brasil indo para o exterior. Essas empresas fazem o caminho contrário, e chegam com grande faturamento e muita tecnologia. São pesos-pesados que dependem menos do momento do País, enquanto a taxa de juros mais alta afeta a capitalização das empresas brasileiras”, afirma Arthur Igreja, especialista em inovação e professor convidado da FGV

Conta global  

Com bilhões de dólares em caixa, as duas fintechs chegam ao Brasil em um cenário macroeconômico desafiador, com inflação e taxa de juros altas, que reduz o poder de compra do brasileiro e requer maior controle das finanças. As empresas dizem olhar para o Brasil com visão de longo prazo e se propõem a oferecer aplicativos para celular que ajudam a organizar os gastos e a melhorar a relação com o dinheiro. 

Os caminhos que as empresas pretendem seguir são ligeiramente diferentes. Enquanto a Revolut tem a ambição de conquistar o consumidor que deseja ter uma conta global que permita a gestão de ativos como dólar, euro, criptomoedas, entre outros, o N26 é mais focado na gestão dos gastos do dia a dia.

“No contexto mundial, a Revolut quer ser um superapp financeiro. A América Latina ainda estava fora da operação principal, e agora Brasil e México entraram no radar da empresa. Nossa proposta é levar facilidade e acesso a soluções financeiras, independentemente do cenário econômico do País. No Brasil, temos um mercado muito disputado por fintechs, mas não ainda com as melhores soluções”, diz Glauber Mota, presidente da Revolut no Brasil.

Egresso do BTG Pactual, o executivo acredita que o País não tem, por exemplo, boas soluções de câmbio para viagem - recurso que considera como ponto forte da Revolut.

Lista de espera

Após chegar a anunciar o desembarque no Brasil em 2019 e depois voltar atrás, o N26 está agora em fase avançada de testes para iniciar sua atuação País. Com uma lista de espera de mais de 200 mil clientes, cerca de 2 mil pessoas participam de um teste dos serviços financeiros da companhia. No mundo, a empresa tem mais de 7 milhões de clientes.

“A primeira geração de fintechs melhorou a relação do consumidor com os bancos. Mas ainda falta melhorar a relação do brasileiro com o dinheiro. Muitos ainda gastam mais do que ganham e nem gostam de pensar em dinheiro. Queremos resolver isso”, afirma Eduardo Prota, presidente do N26 no Brasil. 

O N26 também prepara uma solução para orientar decisões financeiras, como a alocação de investimentos, retomando de forma digital a figura do gerente bancário - mas sem estimular a contratação de produtos e serviços que não façam sentido apenas para cumprir metas. “Queremos oferecer serviços financeiros com suporte para tomar as melhores decisões”, diz Prota.

O mercado em potencial para fintechs como Nubank, Revolut e N26 ainda é grande. De acordo com pesquisa feita pela consultoria Accenture em parceria com o N26, uma em cada cinco pessoas que são clientes de bancos e seguros tem conta em um banco digital no mundo, totalizando 450 milhões de clientes. A estimativa é de que esse número teria potencial para ser triplicado nos próximos anos. 

“As pessoas seguem uma tendência de usar vários bancos, nem que seja para testar qual será o banco principal no futuro. A barreira de entrada para abrir uma conta é mínima. Não é mais preciso ir até uma agência, e os custos foram reduzidos ou extintos. Mas o ambiente competitivo para as fintechs é muito mais acirrado do que há cinco ou dez anos”, diz o analista Pedro Leduc, do Itaú BBA.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.