Fitch confirma otimismo do mercado e derruba d?lar

A eleva??o do Brasil para grau deinvestimento pela Fitch mandou o d?lar nesta quinta-feira paraos menores n?veis desde janeiro de 1999. A moeda norte-americana encerrou o dia a 1,639 real, embaixa de 1,03 por cento. ? a menor cota??o de fechamento desde20 de janeiro de 1999, dias ap?s o Brasil adotar a livreflutua??o do real em meio a uma grave crise econ?mica. A promo??o do pa?s para "BBB-" confirmou o otimismo recentedo mercado, que em v?rias sess?es circulou rumores sobre aiminente decis?o da Fitch. Em 30 de abril, a Standard & Poor'sfoi a primeira grande ag?ncia a considerar o Brasil como umlugar seguro para investimentos. A expectativa do mercado ? que, com a chancela de mais umaag?ncia, o fluxo de d?lares para o pa?s alcance um novo patamarno longo prazo. Muitos investidores instituicionais precisavamdo aval de duas ag?ncias para aportar recursos no pa?s. O efeito no curto prazo, no entanto, deve ser limitado, j?que o cen?rio internacional de risco permanece, ponderouRoberto Padovani, estrategista de investimentos s?nior para aAm?rica Latina do banco WestLB do Brasil. "N?o muda muita coisa. Isso j? vinha sendo antecipado",acrescentou, em refer?ncia ? queda que j? havia ocorrido nos?ltimos dias somente com a expectativa de eleva??o. A decis?o da Fitch derrubou um d?lar que j? operava emqueda. Segundo Valter Alves, operador da SLW Corretora, a baixavista ao longo da sess?o ocorria por conta da disputa pelaforma??o da ?ltima Ptax (taxa m?dia do d?lar) do m?s. A Ptax ? usada como refer?ncia para a liquida??o decontratos futuros e outros derivativos. Os investidores quevenderam d?lares no mercado futuro tentam derrubar o pre?o damoeda para encerrar o m?s com uma posi??o mais favor?vel, e osagentes que compraram d?lares atuam no sentido oposto. A atua??o do Banco Central no mercado ? vista, mais umavez, teve pouca influ?ncia sobre a taxa de c?mbio. A autoridademonet?ria definiu taxa de corte a 1,6485 real e aceitou,segundo um operador, ao menos tr?s propostas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.