Juan Medina / Reuters
Juan Medina / Reuters

Fitch rebaixa rating da dívida soberana da Espanha

Segundo agência, rebaixamento reflete avaliação de que ajuste fiscal do país deve reduzir sua taxa de crescimento

Gustavo Nicoletta e Renato Martins, da, Agência Estado

28 de maio de 2010 | 14h17

A agência de classificação de risco Fitch reduziu os ratings (notas de classificação de risco) de probabilidade de inadimplência da Espanha em moeda local e estrangeira para AA+, de AAA, afirmando que o rebaixamento reflete a avaliação de que o processo de ajuste do país a um nível menor de endividamento vai reduzir materialmente a taxa de crescimento da economia espanhola. A perspectiva para o rating é estável.

"Apesar da dívida do governo e dos custos com juros (a ela) associados continuarem dentro da faixa AAA, a Fitch espera que o processo de ajuste econômico será mais difícil e prolongado do que em outras economias com rating soberano AAA", afirmou Brian Coulton, chefe de ratings soberanos para a Europa, o Oriente Médio e a África na Fitch, em um comunicado.

Segundo a Fitch, embora o reequilíbrio da economia da Espanha esteja firmemente em andamento, a inflexibilidade do mercado de trabalho e a reestruturação de bancos de poupança - as chamadas "cajas" - vão reduzir o ritmo de ajuste do país. Em consequência disso, a dívida do governo provavelmente será equivalente a 78% do Produto Interno Bruto (PIB) até 2013 em comparação a menos de 40% do PIB em estimativas feitas antes da crise financeira. No final de abril, a agência de classificação Standard & Poor''s rebaixou o rating da Espanha para AA com perspectiva negativa. A Moody''s ainda atribui rating AAA para o país, com perspectiva estável.

Bancos

A Fitch rebaixou de AAA para AA+ a dívida de longo prazo garantida pelo governo emitida por vários bancos espanhóis. A dívida de curto prazo garantida pelo governo emitida pelos bancos foi afirmada em F1+. Uma lista com as dívidas afetadas pode ser encontrada no site www.fitchratings.com.

A agência também reduziu os pisos de suporte do rating ("Support Rating Floors") do Banco Santander e do Banco Bilbao Vizcaya Argentaria (BBVA) de A+ para A, mas deixou todos os outros ratings desses dois bancos inalterados.

Estrategistas

O estrategista de câmbio Win Thin, da Brown Brothers Harriman, disse achar "inexplicável" o fato de a Fitch Ratings ter mantido estável a perspectiva do rating da Espanha, depois de rebaixá-lo para AA+. Para ele, a classificação da dívida da Espanha deveria ser rebaixada para A. "A Espanha deveria ser rebaixada vários graus. A Espanha é um gorila de 400 kg na sala. Grécia e Portugal são países pequenos, mas o PIB da Espanha é cinco vezes maior do que os deles", disse Thin. Ele lembra que outra agência de classificação de risco, a Standard & Poor's, dá perspectiva negativa para a dívida soberana espanhola.

Já o economista-chefe da Barclays Capital para Europa, Julian Callow, afirmou que o rebaixamento do rating da Espanha mostra que os governos dos países da União Europeia precisam acelerar a implementação do pacote de ajuda para a zona do euro. "Não há tempo a perder", disse Callow, acrescentando que o governo espanhol precisa implementar medidas de austeridade, apesar dos protestos dos sindicatos de trabalhadores. As informações são da Dow Jones.

(Texto atualizado às 15h01)

Tudo o que sabemos sobre:
EspanhaFitchrating

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.