FMI alerta para risco do crescimento do crédito nos emergentes

Fundo ainda advertiu para um "potencial choque mundial" capaz de reverter os fluxos de capitais e provocar queda no crescimento econômico dos países

Denise Chrispim Marin, de O Estado de S. Paulo,

21 de setembro de 2011 | 12h44

O crédito nos emergentes é motivo de preocupação para o Fundo Monetário Internacional (FMI). Nessa quarta-feira, o diretor do Departamento Financeiro do Fundo, José Viñals, advertiu sobre os riscos gerados pelo crescimento rápido demais do crédito nesses países e recomendou, nesse caso, a adoção de medidas para evitar o aumento de desequilíbrios financeiros.

Medidas macroprudenciais e de controle de fluxos de capital, segundo Viñals, podem complementar as políticas monetárias adotadas para eliminar essa preocupação.

O diretor do FMI ainda advertiu para um "potencial choque mundial" capaz de reverter os fluxos de capitais e provocar queda no crescimento econômico dos emergentes.

"Nossa análise mostra que o impacto nos bancos de economias emergentes pode ser substancial e, dessa forma, recomenda uma reserva adicional no sistema bancário", afirmou.

Brasil

Em relatório divulgado ontem, o FMI defendeu o corte de juros no Brasil. Segundo o Panorama Econômico Mundial divulgado pela instituição, a política fiscal do País ajudará o Banco Central (BC) a conter a alta de preços. Foi uma rara demonstração de otimismo, numa exposição sobre um cenário mundial de baixo crescimento, de orçamentos em desordem no mundo rico e de rebaixamento dos títulos públicos de grandes economias, como EUA e Itália.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.