FMI: emergentes devem preparar-se para desaquecimento

As economias emergentes devem estar preparadas para responder apropriadamente a um possível desaquecimento e buscar medidas para estimular a demanda local, afirmou o diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Dominique Strauss-Khan.

PATRÍCIA FORTUNATO,

13 de fevereiro de 2008 | 10h52

As economias emergentes devem estar preparadas para responder apropriadamente a um possível desaquecimento e buscar medidas para estimular a demanda local, afirmou o diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Dominique Strauss-Khan.

"Em política econômica, as economias emergentes devem considerar como responderão a um desaquecimento... quanto espaço há para afrouxamento de política monetária em alguns países e quanto espaço há para estímulo fiscal em outros", disse Strauss-Khan em discurso no Conselho para Pesquisa Indiana.

Mesmo em países onde o risco é menor, as autoridades devem usar as ferramentas disponíveis para um estímulo fiscal planejado e adequado, que possa agregar demanda de modo a sustentar o consumo privado, afirmou o diretor-gerente do FMI.

"Claro que isto tem que ser temporário e que a manutenção de posição fiscal sustentável no longo prazo é muito importante. Mas, de certo modo, política fiscal (de arrecadação e gastos do governo por meio da carga tributária) de médio prazo é uma questão de economizar para um dia chuvoso. E agora está chovendo", disse Strauss-Khan.

Índia

Strauss-Khan acrescentou que a consolidação fiscal de médio prazo continua sendo uma prioridade para o governo da Ã?ndia, já que a economia se expande rapidamente e com taxas elevadas.

"A �ndia já tem taxa de crescimento muito alta e ainda tem dívida pública muito alta; a consolidação fiscal de médio prazo continua sendo uma prioridade", segundo Strauss-Khan. Por lei, o governo hindu é obrigado a reduzir o déficit fiscal para menos de 3% do Produto Interno Bruto (PIB) até o ano fiscal que se encerra em março de 2009. O governo também tem que eliminar totalmente o déficit de receita, ou a receita total menos as despesas de receita. As despesas de receita são uma medida de gastos correntes que incluem salários, pagamentos de juros em empréstimos governamentais e subsídios.

O diretor-gerente do FMI disse ainda que o forte fluxo de capitais na �ndia depois da crise de hipotecas de segunda linha (subprime) nos EUA reflete um julgamento do mercado de que as perspectivas econômicas hindus são boas, bem como o prêmio de 4,75 ponto porcentual entre as taxas de empréstimos referenciais do Banco da �ndia e as do Federal Reserve (Fed, o BC dos EUA). Mas ele alertou que tal fluxo de capitais pode ser revertido.

China

Strauss-Khan também afirmou que a teoria de "descolamento" que sugere que �ndia e China não serão afetadas por um desaquecimento global pode não ser verdadeira. "As economias emergentes e industriais (como �ndia e China) são mais como dois cavalos emparelhados. Se um está cansado, o outro pode assumir mais peso por um tempo. Mas se um pára, o outro não irá muito longe", declarou. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.