Rafael Arbex/Estadão
Rafael Arbex/Estadão

Jipe Troller deixará de ser produzido pela Ford no Ceará no próximo mês

Grupo decidiu manter a marca em seu poder, e só venderá instalações e maquinários de sua última fábrica no País

Cleide Silva, O Estado de S.Paulo

09 de agosto de 2021 | 19h45

A Ford confirmou hoje o encerramento da fabricação do jipe Troller T4 em Horizonte (CE) para o fim de setembro. Depois, a empresa vai se dedicar à produção de peças de reposição e, ao fim de novembro, fechará as portas da única planta que manteve em atividade quando anunciou, em janeiro, que deixaria de fabricar veículos no País. Na ocasião, foram fechadas as unidades de Camaçari (BA) e de Taubaté (SP).

A empresa inicia nos próximos dias as negociações com o sindicato dos metalúrgicos da região de Horizonte para definir a indenização dos cerca de 470 funcionários, assim como fez com as outras duas fábricas. Há boatos de que a Ford já teria acertado a venda da fábrica, mas nem a empresa nem o governo do Ceará confirmam a informação. A Ford diz apenas que há interessados, mas não pode dar detalhes por motivos de confidencialidade. 

Medida recentemente adotada pela multinacional pode dificultar as negociações. O grupo decidiu vender as instalações e os maquinários, mas vai manter sob sua propriedade a marca Troller, “por questões estratégicas”, informa a empresa, que passou a ser apenas importadora de veículos Ford.

Benefícios

Logo após o anúncio da Ford, de que manteria as atividades da Troller até o último trimestre deste ano, o secretário do Desenvolvimento Econômico do Ceará, Maia Junior, disse que o governo estava disposto a estender ao comprador benefícios fiscais oferecidos às indústrias que se instalam no Estado, desde que fosse mantida a produção do T4, modelo que foi desenvolvido por empresários locais que fundaram a Troller em 1995. A Ford adquiriu a empresa em 2007.

“A prioridade do Ceará é a garantia da produção desse carro, que é genuinamente cearense desde o seu desenvolvimento, e a garantia dos empregos de hoje”, disse Maia ao Estadão em fevereiro. “Não queremos ninguém para construir galpões e só daremos o benefício com essas garantias; fora disso não tem conversa.”

Na época, segundo Maia, havia três grupos interessados na fábrica, todos do ramo automotivo. A Ford também quer vender as instalações de Taubaté e de Camaçari, nas não há informações de interessados até o momento. A fábrica de São Bernardo do Campo, no ABC paulista, fechada em 2019, foi vendida para a Construtora São José e um grupo de investidores que estão construindo no local um dos maiores centros logístico do País.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.