Forte vencimento de títulos faz Dívida Pública Federal cair R$ 28 bi em julho

Dívida Pública Federal fechou o mês passado em R$ 1,957 trilhão, com queda de 1,44% em relação ao estoque registrado em junho

Agência Brasil,

26 de agosto de 2013 | 17h47

 BRASÍLIA - Uma forte concentração de vencimentos de títulos prefixados fez a Dívida Pública Federal (DPF) cair quase R$ 30 bilhões em julho. De acordo com dados divulgados nesta segunda-feira, 26, pela Secretaria do Tesouro Nacional, a DPF fechou o mês passado em R$ 1,957 trilhão, com queda de 1,44% (R$ 28,6 bilhões) em relação ao estoque registrado em junho.

A dívida pública mobiliária - em títulos públicos - interna caiu 1,6%, de R$ 1,895 trilhão para R$ 1,864 trilhão. Isso ocorreu porque, no mês passado, o Tesouro resgatou R$ 45,86 bilhões em títulos a mais do que emitiu. Esse resgate, no entanto, foi compensado parcialmente pelo reconhecimento de R$ 15,50 bilhões em juros. O reconhecimento ocorre porque a correção que o Tesouro se compromete a pagar aos investidores é incorporada gradualmente ao valor devido.

Por causa da alta de 3,37% do dólar em julho, a dívida pública externa encerrou o mês com aumento de 1,96%. O estoque passou de R$ 90,92 bilhões em junho para R$ 92,70 bilhões no mês passado. A alta, no entanto, foi insuficiente para compensar a queda da dívida interna e influenciou pouco o estoque da DPF.

A queda da DPF foi influenciada pelo vencimento de títulos prefixados. Apenas no mês passado, R$ 85,44 bilhões em papéis do Tesouro foram resgatados. A maior parte do total resgatado, R$ 77,6 bilhões, correspondeu a títulos prefixados que costumam vencer no primeiro mês de cada trimestre - janeiro, julho, julho e outubro.

Apesar de continuar abaixo de R$ 2 trilhões, o próprio Tesouro reconhece que a DPF deve voltar a subir nos próximos meses. De acordo com o Plano Anual de Financiamento (PAF), divulgado em junho, a tendência é que o estoque da Dívida Pública Federal encerre o ano entre R$ 2,1 trilhões e R$ 2,24 trilhões. Em dezembro, a DPF ultrapassou pela primeira vez a barreira de R$ 2 trilhões, mas caiu nos meses seguintes.

Por meio da dívida pública, o governo pega emprestado dos investidores recursos para honrar compromissos. Em troca, compromete-se a devolver os recursos com alguma correção, que pode ser definida com antecedência, no caso dos títulos prefixados, ou seguir a variação da taxa Selic, da inflação ou do câmbio.

Tudo o que sabemos sobre:
divida publicatesouro nacional

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.