Foster’s rejeita oferta de compra de US$ 9,98 bi da SABMiller

Proposta é a primeira grande tentativa de aquisição no setor desde que a Heineken comprou a mexicana Femsa, no início do ano passado

Clarissa Mangueira, da Agência,

21 de junho de 2011 | 13h10

A SABMiller, segunda maior fabricante cervejas em volume do mundo, disse que continuará a buscar um acordo para comprar o Foster's Group, após a fabricante de cervejas australiana rejeitar a oferta de 9,51 bilhões dólares australianos (US$ 9,98 bilhões). A oferta representa um prêmio de 8,2% sobre o preço de fechamento de A$ 4,53 das ações da Foster's na segunda. Às 12h05 (de Brasília), as ações da SABMiller recuavam 3,30% em Londres.

A proposta da SABMiller é a primeira grande tentativa de aquisição no setor desde que a Heineken comprou a mexicana Femsa, no início do ano passado, e segue uma tendência de consolidação global da indústria de cerveja.

A oferta de A$ 4,90 por cada ação da Foster levou os papéis da empresa a subirem 13,5%, para A$ 5,14, indicando que o mercado está otimista que uma oferta maior será apresentada pela SABMiller.

"A SABMiller pode concluir a transação rapidamente e continuará a buscar um compromisso com o conselho de administração da Foster para apresentar uma oferta consensual aos acionistas da companhia", afirmou o executivo-chefe da SABMiller, Graham Mackay, para investidores.

A Foster's, a quinta maior fabricante de cervejas da Austrália em vendas, disse que a oferta deprecia significativamente o valor da empresa e que não pretende tomar nenhuma providência em relação à proposta.

Alguns analistas afirmaram que ofertas rivais deverão provavelmente emergir após o movimento da SABMiller para comprar a Foster. Mas a Heineken disse que está interessada primeiramente na expansão de suas operações em mercados emergentes. "Nós planejamos equilibrar nossa exposição entre os mercados maduros e emergentes e se fizéssemos uma grande aquisição num mercado maduro, isso aumentaria outra vez nossa exposição aos mercados maduros, o que nós planejamos reduzir nos últimos anos", destacou um porta-voz da companhia. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.