Foxconn fecha fábrica chinesa após briga que envolveu 2 mil operários

Unidade, que fabrica produtos da Apple e de outras marcas, emprega 79 mil funcionários em cidade no norte da China

Cláudia Trevisan / correspondente em Pequim ,

24 de setembro de 2012 | 10h41

PEQUIM - Pelo menos 40 pessoas ficaram feridas em uma briga que envolveu cerca de 2 mil operários em uma das fábricas mantidas na China pela taiwanesa Foxconn, maior fabricante de eletrônicos do mundo, dentre eles, produtos Apple. O conflito começou às 23h do domingo e só foi controlado por um batalhão de 5 mil policiais às 9h da segunda-feira, segundo a agência oficial de notícias Xinhua

A planta emprega 79 mil trabalhadores e permaneceu fechada ontem para investigação das circunstâncias do tumulto. Com uma lista de clientes que inclui Apple, Dell, Amazon e Microsoft, a Foxconn possui 1,1 milhão de empregados na China, espalhados em 13 fábricas que produzem eletrônicos sob encomenda para grandes marcas globais.

Relatório divulgado em março pela Fair Labor Association apontou uma série de irregularidades trabalhistas nas fábricas do grupo taiwanês na China, algumas das quais chegam a ter 200 mil operários. Entre os abusos, estavam jornadas de trabalho de 60 horas semanais, cumpridas muitas vezes em até 11 dias consecutivos. A investigação foi realizada a pedido da Apple e levou a um acordo para melhoria das condições de trabalho na Foxconn. 

Conflito

O conflito de domingo ocorreu na planta localizada na cidade de Taiyuan, capital da província de Shanxi, no norte do país. Em nota, a companhia afirmou que o confronto foi originado por divergências de natureza pessoal, sem relação aparente com condições de trabalho.

"A fábrica será fechada hoje para investigações", disse o porta-voz da Foxconn Louis Woo à Reuters. Um empregado da companhia contatado por telefone disse que o fechamento pode durar de dois a três dias. Ainda não está claro por quanto tempo a fábrica ficará fechada, enquanto polícia e representantes da empresa investigam as causas dos distúrbios na unidade.

Imagens feitas do lado de fora do complexo fabril mostraram janelas quebradas e uma linha de caminhões militares verde oliva estacionados dentro da unidade. A Foxconn informou que os problemas começaram por uma disputa pessoal. Mas algumas pessoas que publicaram mensagens na internet disseram que guardas da fábrica espancaram trabalhadores e que isso causou a briga.

Em uma mensagem publicada no site de microblogs Sina Weibo, o usuário "Jo-Liang" disse que quatro ou cinco seguranças espancaram um trabalhador quase até a morte dele.

Outro usuário, "Fan de Sa Hai", citou um amigo de Taiyuan que afirmou que guardas surraram dois trabalhadores da província de Henan e em resposta outros funcionários incendiaram camas e as atiraram para fora das janelas do dormitório.

Os relatos não puderam ser confirmados de forma independente.

A agência oficial de notícias Xinhua citou uma autoridade do governo de Taiyuan que afirmaram que investigadores determinaram inicialmente que a briga começou com o confronto de trabalhadores da província de Shandong com funcionários de Henan.

iPhone 5

A Foxconn não informou se o novo iPhone 5 é fabricado no local, mas reportagem publicada no dia 27 de agosto no Shanghai Evening Post afirma que sim. Um repórter do jornal trabalhou 11 dias como operário na fábrica de Taiyuan e participou da produção do iPhone 5 no local.

Antes do conflito de domingo, cerca de 100 trabalhadores da fábrica de Chengdu se envolveram em um tumulto no dormitório da empresa depois de um pequeno grupo de operários ter se desentendido com o proprietário de um restaurante da cidade. Explosão ocorrida na mesma planta em maio do ano passado provocou a morte de três operários.

Histórico

Em 2010, as condições de trabalho na Foxconn ganharam projeção mundial quando 18 funcionários da empresa tentaram suicídio pulando das janelas de seus dormitórios - 14 deles morreram.

Na semana passada a companhia taiwanesa anunciou que pretende construir sua nova fábrica no Brasil na cidade paulista de Itu. O investimento previsto é de R$ 1 bilhão e deverá gerar 10 mil empregos diretos.

O valor é bem inferior aos US$ 12 bilhões (R$ 24,3 bilhões) que a empresa disse que pretendia investir no Brasil durante visita da presidente Dilma Rousseff à China, em abril de 2011. Na época, o presidente da Foxconn, Terry Gou, afirmou que sua intenção era criar um complexo industrial no qual trabalhariam 100 mil pessoas. / COM REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.