França freará ajuda à Grécia se houver moratória, diz ministra

País está disposto a emrpestar 3,9 bilhões de euros neste ano

Efe,

25 de abril de 2010 | 08h47

A ministra de Economia e Finanças francesa, Christine Lagarde, assinalou que a ajuda que está sendo negociada para a Grécia não será abonada integralmente de forma imediata e advertiu que se freará o processo se houver uma moratória, explicou em entrevista publicada hoje por "Le Journal du Dimanche".

 

Em relação às taxas de juros que se exigirá da Grécia, destacou que a referência será o Euribor, "que não varia em proporções monumentais", e acrescentou "uma margem de segurança de 3%", ao que seria preciso também acrescentar 1% e um complemento de 0,5% se uma parte dos empréstimos não forem reembolsados".

 

"Isso nos porá a resguardo na medida em que a França consegue se financiar no mercado de dívida a três anos a 1,5%, à margem do custo dos seguros", ressaltou.

 

A ministra francesa estimou que se os gregos tomarem 3,9 bilhões de euros que a França vai emprestar para essa ajuda neste ano, o ganho com juros será de 150 milhões de euros.

Tudo o que sabemos sobre:
Gréciaajuda financeiraFrançaEuropa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.