Francesa Engie vai vender cinco campos de petróleo e gás

Empresa afirmou que pretende focar em energia renovável, saindo aos poucos de ativos de combustíveis fósseis

Fernanda Nunes, O Estado de S.Paulo

06 Junho 2016 | 21h49

RIO - A francesa Engie, antiga GDF Suez, uma das principais investidoras na geração de energia no Brasil, está vendendo cinco blocos de exploração e produção de petróleo e gás natural no País, segundo o presidente Maurício Bahr.

Após participar do Prêmio Engie Brasil de Inovações 2016, o executivo disse que não negocia a compra de terminais de regaseificação de gás natural da Petrobrás, contrariando notícia divulgada no fim de semana. O foco da empresa, daqui para frente, será a geração de energia renovável, disse Bahr.

“Existe uma transição de alta emissão de gás carbônico. Não vamos fechar plantas da noite para o dia, mas assumimos o compromisso para que isso ocorra naturalmente”, afirmou o presidente da Engie.

Além de atuar no setor hidrelétrico, a empresa hoje está presente no setor de geração a partir de gás natural, combustível de origem fóssil. Na Bahia e no Maranhão, a empresa tem cinco concessões para explorar e produzir gás, que serão vendidas pela controladora francesa.

O executivo mencionou ainda da dificuldade em atuar no mercado de gás natural no Brasil, por causa da participação dominante da Petrobrás em todos os elos da cadeia, o que dificultaria também negociações de compra de ativos da petroleira.

“O que existe hoje é o desejo de melhor conhecer a legislação do gás no Brasil, ter um ambiente regulatório mais propício ao investimento privado. Hoje, há um domínio forte da Petrobrás, que faz com que seja difícil outros agentes privados se inserirem nessa cadeia. A gente precisa de um marco regulatório de livre acesso”, frisou.

Energia renovável. A Engie negocia com a prefeitura do Rio o fornecimento de energia renovável para os veículos leves sobre trilho (VLT). O contrato estaria em fase de finalização. 

Mais conteúdo sobre:
Brasil Petrobrás Bahia Maranhão Petróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.