Frango: Brasil passa os EUA e se torna maior exportador mundial

São Paulo, 16 - Considerando os últimos 12 meses, o Brasil se tornou o maior exportador de frango do mundo, superando os Estados Unidos. O diretor executivo da Associação Brasileira dos Exportadores de Frangos (Abef), Claudio Martins, explica que os números de vendas de agosto e o volume acumulado nos últimos 12 meses são recordes. De setembro de 2003 a agosto de 2004, o País exportou 2,249 milhões de toneladas de frango e teve uma receita cambial de US$ 2,3 bilhões. "Já nos tornamos os maiores exportadores e devemos fechar o ano na liderança mundial", diz o executivo. Martins afirma que o Brasil está hoje com cerca de 30 a 35% do mercado mundial de frango e já vende para 85% dos países importadores. O próximo passo, segundo ele, é abrir os outros 15%. Os exportadores de frango estão priorizando a abertura da Coréia do Sul e da Malásia, já em negociação. A Coréia, diz ele, é um dos maiores importadores mundiais, com compras mensais de cerca de 100 mil toneladas. Hoje a Coréia é atendida pelos países asiáticos e pelos Estados Unidos. A Malásia também é uma prioridade, pois se o país abrir o seu mercado para o frango brasileiro, outros países islâmicos também deverão importar do Brasil. "Um certificado da Malásia é uma referência para os países islâmicos". Para o ano que vem, o objetivo das empresas brasileiras é a abertura do mercado americano, que embora seja exportador, também importa". Outra boa notícia foi a decisão da União Européia de retirar a exigência de testes contra nitrofurano em território europeu nas cargas de frango brasileiras desde 1 de setembro. Agora o produto já sai do Brasil com certificado de não utilização do antibiótico. Com isso, os exportadores brasileiros acreditam que a receita cambial deve crescer um pouco mais até o final do ano. O diretor-executivo da Abef explica que os testes provocavam demora nas exportações e aumentava o custo para os exportadores brasileiras. Sem essa exigência, a rentabilidade das vendas para a Europa deve melhorar. Martins destaca ainda que essa decisão da Europa melhora a imagem do frango brasileiro. "É uma certificação de qualidade do nosso produto". Ele lembra que no final do ano passado, quando a UE tomou a medida, vários países ameaçaram suspender as compras do Brasil. "Agora nós temos que cuidar da sanidade", se referindo aos problemas que outros países estão registrando, especialmente a Ásia que luta para controlar uma epidemia de febre asiática. "Temos de ficar de olhos aberto e o governo precisa fazer a sua parte", diz o executivo.

Agencia Estado,

16 de setembro de 2004 | 19h20

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.