Funcef estuda entrar em private equity internacional

A Fundação dos Economiários Federais (Funcef) e a Fundação Vale do Rio Doce de Seguridade Social (Valia) estudam a possibilidade de entrar no mercado de private equity internacional, além de expandir os investimentos no Brasil. "Estamos estudando com bastante interesse o assunto. Isso deve ocorrer no médio prazo", revelou o diretor de Investimentos e Finanças da Funcef, Maurício Marcellini.

GABRIELA FORLIN, Agencia Estado

03 de dezembro de 2012 | 16h56

Ele comentou que, dos R$ 50 bilhões que a fundação tem sob gestão em ativos, apenas 7% correspondem a investimentos estruturados, que incluem private equity. Começamos nesta indústria em 2006/07, buscando maior retorno e controlando mais o risco. Atualmente, vemos o mercado de private equity não só como oportunidade, mas como necessidade de diversificar a carteira de investimentos", destacou o executivo.

O diretor de Investimentos e Finanças da Valia, Maurício Wanderley, ressaltou que a fundação enxerga o segmento como "uma oportunidade muito boa". "A indústria de private equity tem se desenvolvido de forma rápida no Brasil, e os fundos de pensão têm de buscar alternativas de investimento", disse.

Sobre isso, ele salientou que a Valia não buscará apenas diversificação, mas também retorno. Por este motivo, investimentos internacionais estão na agenda da fundação. Segundo Wanderley, a Valia tem R$ 16 bilhões sob gestão, sendo 8% em private equity.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.