Funcionários de fast-food entram em greve nos EUA

Milhares de funcionários do McDonald''s e de outras redes de fast-food nos Estados Unidos entraram em greve nesta quinta-feira, 29, por melhores salários. De acordo com os organizadores da paralisação, trabalhadores em 50 cidades aderiram à greve, reivindicando salário de US$ 15 por hora - o dobro do que a maioria deles recebe atualmente - e o direito de formar um sindicato sem ter retaliações.

AE, Agencia Estado

29 de agosto de 2013 | 17h29

Em comunicado, os organizadores disseram que esta é a maior paralisação já realizada no setor. O movimento teve início em novembro, em Nova York, com a adesão de 200 empregados, mas se espalhou, rapidamente, pelo país. Em julho, houve greves em Chicago, Detroit, Flint, Kansas City, Milwaukee e St. Louis.

O movimento iniciado nesta quinta-feira deveria atingir cerca de mil redes de fast-food, como Burger King, Wendy''s, Taco Bell, Pizza Hut e KFC. Muitos dos 3 milhões de funcionários do setor nos EUA não trabalham em período integral e não recebem gorjetas como funcionários de bares e restaurantes. Na greve anterior, em julho, o McDonald''s disse que os contratos individuais de funcionários eram responsabilidade das franqueadas que operam mais de 80% dos restaurantes da rede no mundo todo. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
Alimentosfast-foodgreve

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.