Funcionários do Ministério das Finanças fazem greve na Grécia em semana de paralisações

A partir de 3ª, funcionários do ministério e da alfândega iniciam greve; Receita para a partir de 4ª e taxistas entrarão em greve de novo na 5ª

Gabriel Bueno, da Agência Estado,

16 de fevereiro de 2010 | 09h26

Milhares de funcionários do Ministério das Finanças da Grécia fazem uma paralisação nesta terça-feira, 16. A greve marca o início de uma semana de protestos trabalhistas, no que tem sido visto como um teste para o ambicioso programa de austeridade de três anos de duração anunciado pelo governo local.

 

A greve de quatro dias dos funcionários do Ministério das Finanças deve afetar vários serviços, entre eles o escritório de estatísticas na agência local que monitora o mercado, o Comitê Helênico do Mercado de Capitais.

 

Ao mesmo tempo, milhares de funcionários da alfândega declararam uma paralisação de três dias, a partir da terça-feira. Funcionários da Receita anunciaram uma paralisação de um dia na quarta-feira, enquanto na quinta-feira taxistas pararão por um dia. É o segundo protesto dos motoristas de táxi em menos de uma semana.

 

"Nós estamos protestando contra a redução nos salários e também contra a eliminação da alíquota de impostos diferenciada dos funcionários do ministério", disse Yiorgos Samaris, presidente da Federação dos Sindicatos do Ministério das Finanças (OSYO).

 

Sob intensa pressão da União Europeia e dos mercados financeiros, o recém-eleito governo socialista grego se comprometeu com um duro programa de austeridade. A meta da iniciativa é reduzir o déficit da Grécia dos 12,7% do Produto Interno Bruto (PIB), em 2009, para menos de 3% até 2012.

 

Entre as medidas anunciadas pelo governo estão o congelamento de salários no setor público, um corte de 10% nas gratificações do funcionalismo e o fim das alíquotas de impostos preferenciais para vários funcionários públicos e outros profissionais, como taxistas e engenheiros.

 

As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.